Reflexão 11º Domingo do Tempo Comum - 18/06/2017
 
Reflexão 11º Domingo do Tempo Comum - 18/06/2017
alt

Jesus chamou seus doze discípulos e os enviou.

“O Reino de Deus está próximo”. Estamos nos “últimos tempos” (CIgC 732), depois de Pentecostes já entramos nos últimos dias, isto quer dizer que a volta de Jesus pode acontecer a qualquer momento. Por isso que o anúncio da Igreja deve ser sempre como nos fala no Evangelho – Jesus ordena que saiam a anunciar a Boa Nova do Reino, mas este anúncio tem que ser acompanhado de prodígios – “Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios”. Portanto irmãos, devemos ter em mente, que o Senhor quer ser anunciado a todos os povos para que todos tenham a chance de conhecer a verdade e possam fazer suas opções, na vida, de forma coerente e consciente. Por isso que «A Igreja existe para evangelizar, ou seja, para pregar e ensinar, ser o canal do dom da graça, reconciliar os pecadores com Deus e perpetuar o sacrifício de Cristo na Santa Missa, que é o memorial da sua morte e gloriosa ressurreição» (Exort. Ap.Evangelii nuntiandi, 8 de Dezembro de 1975, 14: aas 68, [1976], p. 13).

“Portanto, se ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis para mim a porção escolhida dentre todos os povos, porque minha é toda a terra”. Aqui está a condição “Se ouvires... Se guardares”. Temos um compromisso com o Senhor, formamos, com Ele, uma comunhão de vida, em que recebemos as Graças e os Dons e nos comprometemos em seguir seus passos e realizar seu projeto de salvação do mundo. Não pense que estamos em Deus somente para sermos beneficiados por Ele. É certo que recebemos abundantemente suas graças, mas temos a responsabilidade de anunciar, de formar seu povo, de manifestar sua glória no meio dos homens – e isso é para todo Batizado.

Não existem desculpas. Fomos capacitados pelo Espírito Santo para sermos operários da messe. E veja, o Senhor, nos conhecendo, tinha a consciência que poucos se atirariam ao trabalho da messe: “A Messe é grande, mas os trabalhadores são poucos”. Esta é uma afirmação feita pelo Senhor. Que vergonha para nós que recebemos tudo d’Ele e não somos capazes de nos tornarmos evangelizadores para anunciar a Boa Nova. E o Senhor ainda nos orienta: “Pedi, pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”. Impressionante! Por que o Senhor quer operário somente para a colheita? E não pede operários para lavrar a terra, adubar e fazer suas leiras? Por que isso Ele já o fez com seu sangue derramado. O terreno já está pronto para que possamos levar a Palavra e introduzir outros no caminho de salvação.

Recebemos de Graça, por que alguém, algum dia, nos apresentou a Boa Nova e fomos restaurados pelo sangue de Jesus. E é nosso compromisso de anunciar aos quatro ventos da terra que Jesus é o Senhor e “que Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores. Muito mais agora, que já estamos justificados pelo sangue de Cristo, seremos salvos da ira por ele”. Assumindo nosso compromisso com o Senhor “vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa”.

O que estamos esperando! Vamos procurar nos formar como evangelizadores. Procure na sua Paróquia, comunidade. Pesquise onde tem curso. Estude, receba uma boa formação para ser um trabalhador apto a servir a Deus em sua messe.

Não perca tempo! Estamos nos “últimos tempos”.

Antonio ComDeus

 


 

11º Domingo do Tempo Comum - 18 de Junho de 2017

 

1ª Leitura - Ex 19,2-6a

Vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa.

 

Salmo - Sl 99,2.3.5 (R.3c)

R. Nós somos o povo e o rebanho do Senhor.

 

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 5,6-11

Se fomos reconciliados pela morte do Filho, muito mais seremos salvos por sua vida.

 

Evangelho - Mt 9,36-10,8

Jesus chamou seus doze discípulos e os enviou.

 


Share/Save/Bookmark