Vós valeis mais do que muitos pardais.

Reflexão 12º Domingo do Tempo Comum – 25/06/2017

“Eterna infâmia, que nunca se apaga!”. O Senhor nos chamou a fazer parte de seu rebanho e nos constituiu como filhos, herdeiros e embaixadores (2Cor 5,20) de sua Palavra. Assim somos testemunhas, anunciadores, os soldados de infantaria do Senhor. Portanto seremos perseguidos, caluniados, desprezados e tantas outras coisas que se sucederão em nossa caminhada, por isso que a infâmia nunca se apaga. Não pense que seguir o Senhor é se colocar em um pedestal para ser elogiado pelos homens, isso pode até acontecer se for “morno” (Ap 3, 15-16) em sua caminhada. Se for um Católico de IBGE, onde somente no censo aparece o que professa. O Profeta Jeremias sofreu muito por ser o Profeta da destruição, buscava abrir os olhos do povo, mas estes e os grandes do povo estavam com o coração fechado e o perseguiam e tentavam matá-lo a qualquer custo.

Quem somos nós para desejar uma vida Cristã tranquila e calma?

Meditando nesta manhã em minha oração pessoal e diante de tantas provações que a vida nos impõe e desabafando com o Senhor sobre “as coisas da vida”, senti que o Senhor nos prepara para o Céu e para isso temos que passar pela porta estreita, (Mt 7,13-14- “Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduzem à perdição e numerosos são os que por aí entram”). Não só passar por ela, mas permanecer no caminho estreito, somente assim nós ganharemos maturidade espiritual. Mas neste tempo ficamos a mercê de nossas imperfeições e de nossos atos errados que nos leva a pecar. Quanta dor isso causa em nosso coração, muitas vezes nos sentimos um nada e em certos momentos nos vemos como um inútil e nosso socorro somente podem vir do Senhor. O Senhor nos acompanha, mas como um bom Pai e Amigo permite que passemos por situações de perigo, de vales escuros, de noites sombrias, para que somente a fé seja o nosso guia. Neste momento tudo e todos desaparecem, até os mais próximos se tornam estranhos e incompreensíveis, nada diferente do Mestre que depois do getsêmani ficou sozinho, mas Ele está lá e se coloca imóvel esperando o dia chegar (e que muitas vezes demora uma eternidade) para que possamos saborear a vitória. Vitória essa que Ele vibra, muitas vezes mais que nós.

Ai a grande necessidade de orar. De trancarmos no quarto (Mt 6, 6) e orar ao Senhor e “Ele que vê o que está em segredo” vai nos fortalecer para continuarmos a caminhada. Adquirir maturidade espiritual e perfeição como pessoa, na sabedoria e visão do mundo e de nossa missão, não é fácil. Mas é somente o que realmente importa, por que no fim das contas é isso que irá prevalecer.

Vós valeis mais do que muitos pardais”. Não temos ideia do quanto valemos para Deus, por mais que imaginemos não conseguimos absorver tudo o que somos para Ele. Mas sabemos que somos amados e que Ele deu a vida por nós. “Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos”.

Busquemos a vida de comunhão com os irmãos e com a família para que, na oração e na partilha possamos passar por todos os obstáculos que a vida nos apresentar. Certamente que uns nós mesmos cavamos outros cavam para nós, mas não importa temos que passar.

Em Cristo somos mais que vencedores. (Rm 8, 37).

 

Antonio ComDeus

 

Reze conosco todos os dias (Segunda a Sexta) as 15h o Terço da Misericórdia, acesse https://www.fb.com/editoracomdeus/

 

Reflexão 12º Domingo do Tempo Comum – 25/06/2017

1ª Leitura – Jr 20,10-13

Ele salvou das mãos dos malvados a vida do pobre.

 

Salmo – Sl 68,8-10.14.17.33-35 (R.14c)

  1. Atendei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!

 

2ª Leitura – Rm 5,12-15

O dom ultrapassou o delito.

 

Evangelho – Mt 10,26-33

Não tenhais medo daqueles que matam o corpo.