Reflexão 5º Domingo da Quaresma – Ano A – 2017

alt

“Porei em vós o meu espírito”. Assim Deus prometeu no Antigo Testamento para que soubéssemos que Ele é o Senhor. Somente quem é conduzido pelo Espírito de Deus pode reconhecer quem Ele é. E somente assim podemos viver “não […] segundo a carne”, mas segundo o Espírito, e o mesmo Espírito que ressuscitou a Cristo nos ressuscitará no último dia. Esta é a grande proclamação da Páscoa – Cristo venceu a morte e nos trouxe a vida – e todo aquele que estiver em Cristo ressuscitará. Esta é à base de nossa fé – “É crendo na ressurreição que somos cristãos” (Tertuliano). E Cristo nos enviou o Espírito Santo, que veio em Pentecostes, e com Ele nasce a Igreja que caminha pelos tempos até a sua volta.

Mas Jesus, em sua vida pública, já deixou claro quem Ele era e para o que veio. Vemos neste episódio a declaração de Jesus: ‘Eu sou a ressurreição e a vida… ’. Este fato histórico da ressurreição (ou o reviver) de Lázaro causou em toda região um grande transtorno e como Betânia ficava próximo a Jerusalém a notícia correu rápido e muita gente vinha com frequência à casa desta família.

Mas a revelação que Jesus faz a Marta em uma conversa ‘teológica’ é de fundamental importância em seu ministério, pela grandeza de sua declaração – “Eu sou a ressurreição e a vida”. E a declaração de Marta reconhecendo-o como Messias, o ungido de Deus, o Salvador – “Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo”.

De outro lado vemos Jesus em sua humanidade plena. Quando Maria se aproxima de Jesus com a mesma indagação de Marta – ‘Senhor, se tivesses estado aqui, o meu irmão não teria morrido’. – mas em outro contexto, o coração, Maria se joga aos pés de Jesus e chora. O Senhor sente a dor do coração de Maria, se comove e chora pela dor que está no coração da irmã que perdeu seu irmão – “estremeceu interiormente, ficou profundamente comovido… E Jesus chorou”.

Jesus é verdadeiramente homem, sente, se comove, tem fome, dor, sede, sono… Enfim, tudo que é próprio do ser humano. “[O Filho de Deus] trabalhou com mãos humanas, pensou com inteligência humana, agiu com vontade humana, amou com coração humano. Nascido da Virgem Maria, tomou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado”. (CIgC 470). Isto, vemos claramente em seu encontro com Maria. E hoje, como será? Jesus, quando subiu ao Céu, deixou sua humanidade para trás? Certamente que não. Nosso Senhor Jesus Cristo é um homem verdadeiro que está à direita do Pai e continua a sentir as dores de seus filhos que sofrem neste mundo, sente como Deus, mas também como homem e muitas vezes ao sentir a dor de seus filhos, chora, se comove e aproxima de seus filhos e os carrega ao colo.

Meus amados irmãos, temos um Deus que conhece a dor humana, sendo homem que é. E busca com todas as forças aliviar suas dores, compartilhando o amor infinito por cada um de seus filhos. Este é o nosso Deus ressuscitado que continuamente diz: “vem para fora!”. Sai de seu túmulo, não fique morto diante de seus problemas; “coragem, Eu venci o mundo”. (Jo 16,33). Não importa há quanto tempo você está mergulhado nesta sua prisão interior, droga, vícios, infidelidades… O que importa é ouvir a voz do Senhor – “Vem” e ter a coragem e a confiança de que uma nova vida está brotando. Não importa se está amarrado, amordaçado, Ele é vitorioso, venceu a morte, venceu satanás. A vitória é Cristo.

Imagine a cena de Lázaro saindo do túmulo vivo. Que impacto no povo presente, que força arrebatadora. O Céu toca a terra e tudo se faz novo, vida nova.

Irmãos, nosso Deus é lindo!

Antonio ComDeus

 

5º Domingo da Quaresma

 

1ª Leitura – Ez 37,12-14

Porei em vós o meu espírito para que vivais.

Salmo – Sl 129,1-2.3-4ab.5-6.7-8 (R.7)

R. No Senhor, toda graça e redenção!

2ª Leitura – Rm 8,8-11

O Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos mora em vós.

Evangelho – Jo 11,1-45

Eu sou a ressurreição e a vida.