Reflexão 4º Domingo da Quaresma – Ano A – 2017

altO cego foi, lavou-se e voltou enxergando.

O homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração”. A Quaresma é tempo de reflexão, principalmente das verdades que muitas vezes nos esquivamos em meditá-las. Deus olha o nosso coração, o lugar mais secreto de nosso interior e perscruta todas as nossas misérias, as mais escondidas, aquelas que ninguém pode tocar e que ninguém conhece. Se é desta forma. Qual está sendo nosso comportamento interior de nos colocarmos diante de Deus? Somos autênticos com o Senhor ou ficamos procurando meios de justificar o injustificável? E em relação às outras pessoas. Procuro olhá-las com os olhos de Deus (ver o coração) ou fico olhando as aparências e as colocando em uma medida apertada que nem uso para medir a mim mesmo? Tempo de reflexão, tempo de amar e servir com caridade o próximo e procurarmos ser o mais transparente conosco mesmo e com Deus.

Somos chamados a viver na luz.“O fruto da luz chama-se: bondade, justiça, verdade. Discerni o que agrada ao Senhor. Não vos associeis às obras das trevas, que não levam a nada; antes, desmascarai-as”. Somos chamados a viver na luz, isto é – bondade, justiça, verdade – Três pontos fundamentais em nossa vida. E como falta em nossa sociedade. Observamos isso em todas as esferas, em todas as classes sociais deparamos com a falta de caráter, de moral e ética, mergulhamos em um relativismo e indiferentismo que desfigurou tanto o nosso povo que dificilmente vemos uma luz de mudança no ‘fim do túnel’. É um problema de cultura de nosso povo. Mas se isso é com toda a sociedade, não deveria aqueles que são membros do povo de Deus, os católicos, serem o diferencial, em dar seu testemunho, sendo luz no mundo e sal da terra? (Mt 5,13). Deus espera isso de nós. Que nosso sim seja sim e que nosso não seja não. (Mt 5, 37). É nosso dever de Cristão viver na verdade, semearmos a verdade e denunciar as mentiras, o texto nos diz: ‘Não vos associeis às obras das trevas, que não levam a nada; antes, desmascarai-as’. Para o mundo, a obra de Jesus nada representa e a Palavra de Deus não tem sentido, e infelizmente muitos se dizem Católicos. São semelhantes aos Fariseus que mesmo vendo o milagre realizado por Jesus o chama de pecador. O que antes era cego diz: “Jamais se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença”. E nem assim ficaram sensibilizados com Jesus. Muitos agem assim em nossa sociedade, não existe em seus corações o “temor a Deus”. (Não é ter medo e sim o grande respeito ao ponto de não querer ofendê-lo). Portanto irmãos, temos um maior compromisso em sermos testemunhas vivas de Jesus Cristo e de sua Igreja. Permitamos que Jesus retire nossa cegueira interior para vermos com Deus vê o mundo, a sociedade para podermos testemunhar como luz do mundo e sal da terra. Que este tempo de reflexão e penitência possa ser favorável a nossa conversão, e aproximando mais do Senhor possamos testemunhá-lo em nosso lugar de ação. Que não ouçamos do Senhor – “o vosso pecado permanece”. Planejemos melhor nosso dia para que encontremos tempo de oração pessoal mais intensa com mais tempo, façamos visita ao SSmo. Sacramento, empenhemos nas obras de caridade, procuremos o sacramento da reconciliação mais vezes durante a quaresma (é sacramento de cura), façamos jejum e abstinência. Não permita o relaxamento, o desânimo, pelo contrário peça ao Espírito Santo um fogo novo em sua caminhada e tudo será diferente. Façamos de nossa quaresma um tempo de renovação de vida e caminho intenso de santidade. Não esqueça –Somente os santos verão a face de Deus. (Ap 22, 4; Mt 5, 8).

Antonio ComDeus

 

Reflexão 4º Domingo da Quaresma – Ano A – 2017
 
1ª Leitura – 1Sm 16,1b.6-7.10-13a
 
Salmo – Sl 22,1-3a.3b-4.5.6 (R. 1)
2ª Leitura – Ef 5,8-14
 
Evangelho – Jo 9,1-41

Davi é ungido rei de Israel.

R. O Senhor é o pastor que me conduz;* não me falta coisa alguma.

Levanta-te dentre os mortos e sobre ti Cristo resplandecerá.

O cego foi, lavou-se e voltou enxergando.