Reflexão 6º Domingo do Tempo Comum – Ano A – 2017

alt

Neste período de nossa liturgia acompanhamos as lições de vida que Jesus nos dá. Certamente com seus ensinamentos encontramos muitos que são orientações e outros que são ordens. Para o Jovem rico Jesus dá uma orientação “se queres ser perfeito”, (Mt 19,16-30). Mas neste evangelho Jesus nos dá ordens. Ainda mais, Ele toma os mandamentos da lei de Deus, que estavam sendo interpretadas de forma errada e os elevam a um nível mais profundo.

O povo de Israel foi atenuando e adaptando os mandamentos conforme suas vontades. No tocante ao quarto mandamento, que é o único acompanhado de uma promessa, (Honra teu Pai e tua Mãe para que tenha dia feliz sobre a terra) Eles elaboraram uma lei que desimpedia a pessoa de cuidar de seus pais na velhice, chamava-se – CORBAN – (Mc 7,10-14). Jesus veio para colocar os mandamentos em seus lugares com a devida interpretação, conforme a vontade do Pai – ‘dar-lhes pleno cumprimento’. Portanto, irmãos, estamos diante de uma ordem de Jesus e aperfeiçoada para que ninguém deturpe as ordens do Pai.

Mas, como é difícil cumprir estas ordens em toda sua extensão! Seria uma grande exigência de Deus para nós, ‘simples mortais e grandes pecadores’, cumprir as leis com nossas próprias forças. Mas, na verdade, não estamos sozinhos, fomos revestidos do Espírito Santo em nosso Batismo e buscando a Vida no Espírito (Gl 5,22), sendo conduzido pela graça podemos, sim, no caminhar de nossas vidas, chegarmos à perfeição querida por Deus (1Cor 15,36-58) para cada um de nós.

São Paulo afirma categoricamente que: ‘Entre os perfeitos nós falamos de sabedoria’, (grifo nosso). E afirma ‘não da sabedoria deste mundo, nem da sabedoria dos poderosos deste mundo’. Somos qualificados como os perfeitos. Por quê? Porque revestidos do Espírito Santo temos a condição de cumprir as ordens de Jesus. Certamente que ninguém nasceu pronto e a nossa vida é uma escola aonde vamos adquirindo perfeição e santidade à medida que nos esforçamos. Que não tiremos os olhos da meta estabelecida por Deus (Fil 3,12). A vida do Cristão é uma busca incessante de chegar ao grau estabelecido por Deus. Como não sabemos que grau é este, façamos como São Paulo: “Contudo, seja qual for o grau a que chegamos o que importa é prosseguir decididamente”.

Isto é o que ‘Deus preparou para os que o amam e é algo que os olhos jamais viram nem os ouvidos ouviram nem coração algum jamais pressentiu’. Aqui está nosso motivo de luta em ‘prescindindo do passado e atirando-me ao que resta para frente’, buscar com todas as forças chegar ao alvo – o Reino de Deus. Nada mais é importante na vida e se algo tem algum tipo de importância é porque nos promove a chegar à meta. Por isso buscar a intimidade com o Espírito Santo horando a Deus em todas as áreas de nossa vida é caminhar na perfeição estabelecida por Deus. Assim, o Cristão torna-se presença de Deus no mundo fazendo a diferença na sociedade sendo “o vosso ‘sim’: ‘Sim’, e o vosso ‘não’: ‘Não’”.

‘Tudo o que for, além disso, vem do Maligno’.

Antonio ComDeus

 

6º Domingo do Tempo Comum

 

1ª Leitura – Eclo 15,16-21 (Gr.15-20)

A ninguém mandou agir como ímpio.

Salmo – Sl 118,1-2.4-5.17-18.33-34 (R.1)

R. Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo!

2ª Leitura – 1Cor 2, 6-10

Deus destinou, desde a eternidade, uma sabedoria para nossa glória.

Evangelho – Mt 5,17-37

Seja o vosso ‘sim’: ‘Sim’, e o vosso ‘não’: ‘Não’.