Dia de Todos os Santos – Solenidade – Ano C – 2016

alt

Celebramos a Festa de Todos os Santos. Muitas vezes, ao pensar em “todos os santos”, pensamos naqueles que heroicamente venceram os intemperes da vida e chegaram à santidade e hoje se encontram no Céu. Mas na verdade a festa não é só pra estes e sim para “todos” os que estão em Cristo. Neste sentido temos que refletir sobre a “Comunhão dos Santos”. Afinal, quem faz parte desta comunhão? A Igreja nos orienta que existe “três estados da igreja” – A Igreja Militante, nós que estamos neste mundo; A Igreja Padecente, aqueles que estão em processo de purificação no purgatório; e a Igreja Triunfante, aqueles que já alcançaram a glória em Deus. Todos estes três estados formam o Corpo de Cristo e estão em comunhão, portanto são santos. A santidade não é uma propriedade em que se adquire como a compra de um bem (casa, carro, fazenda…), mas é participação naquele que é santo. “O termo ‘comunhão dos santos’ tem, pois, dois significados intimamente interligados: ‘comunhão nas coisas santas (sancta)’ e ‘comunhão entre as pessoas santas (sancti)’”. (CIgC 948). 

Somente Deus é Santo e todos aqueles que têm Deus em sua vida são santos e participam das coisas santas. Assim, a Eucaristia está no topo da comunhão dos santos, pois com ela estamos intimamente ligados a Cristo, “participantes de seu Corpo e de seu Sangue para formarmos um só corpo; denominam-se ainda as ‘coisas santas’: ta hagia (pronuncia-se ‘ta háguia’ e significa ‘coisas santas’); ‘sancta – coisas santas” este é o sentido primeiro da “comunhão dos santos” (CIgC 1331).

Meditando sobre a leitura de Apocalipse deparamos com uma revelação da qual deveríamos meditar longamente. São João nos fala de cento e quarenta e quatro mil das tribos de Israel – Isto quer dizer que a totalidade do povo escolhido será salva (povo de Israel), não exatamente todos, mas a totalidade – Depois ele diz: “vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar”. Então estaremos lá, nós que atendemos o chamado de Cristo e fomos inseridos em seu Corpo Místico pelo Batismo. A salvação está garantida, Ela é de graça e foi Cristo quem a conquistou na Cruz. Precisamos, sim, caminhar na santidade, isto requer esforço e muita luta, por isso que o texto diz: “Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro”.

O texto também, nos apresenta duas orações, que os salvos irão proclamar, e vejo que deveríamos decorar estas orações, são lindas, fortalecem nosso coração e nos impulsiona a querer mais e mais nossa presença neste momento de Glória: “Todos proclamavam com voz forte: ‘A salvação pertence ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro’“. E outra: E adoravam a Deus, dizendo: “Amém. O louvor, a glória e a sabedoria, a ação de graças, a honra, o poder e a força pertencem ao nosso Deus para sempre. Amém”.

Por isso que a exigência do Evangelho vai além dos dez mandamentos, se estes são para uma boa educação de um filho de Deus que deve seguir o bom caminho amando a Deus, o próximo e a si mesmo, as Bem Aventuranças ultrapassa as forças humanas e busca a vida no Espírito. Somente na Vida no Espírito se consegue viver a Bem Aventurança. Portanto, não é sermos simplesmente seres humanos, mas sermos pessoas espirituais, que buscam uma vida mística, uma transcendência em uma comunhão profunda com Deus.

Afinal até onde podemos caminhar na vida espiritual? Qual é o limite de sua experiência com Deus? Temos um corpo material e uma Alma Espiritual e podemos nos relacionar nestes dois planos e recebermos o Espírito Santo, que nos conduz na relação sobrenatural, onde podemos falar com Deus e experimentar as coisas do Céu. Portanto, tudo está em nossas mãos, basta querer e se aventurar nas coisas espirituais.

Vale a pena deixar tudo para conquistar o maior prêmio que podemos conquistar: “somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele,  porque o veremos tal como ele é”. Feliz dia!

Antonio ComDeus

 

Todos os Santos – Solenidade

 

1ª Leitura – Ap 7,2-4.9-14

Vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas.

 

Salmo – Sl 23(24),1-2.3-4ab.5-6 (R. cf. 6)

R. É assim a geração dos que procuram o Senhor!

 

2ª Leitura – 1Jo 3,1-3

Veremos Deus tal como é. 


Evangelho – Mt 5,1-12a

Bem-aventurados os pobres em espírito.