12 de Outubro: Dia de Nossa Senhora Aparecida

É muito comovente celebrarmos essa data tão querida para o povo Brasileiro. Quantos milhares de Brasileiros que foram agraciados por bênçãos – curas, libertações, milagres – todos vindo da intercessão desta nossa preciosa MÃE.

Verdadeiramente Maria é a medianeira de todas as graças. Ela não é o fruto de nossa Salvação, mas é a árvore que O produziu. Não é ela a nossa Salvadora, mas é salvadora de todos os homens quando disse: “Eis aqui a Serva do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua Palavra”. Assim Maria ocupa o topo da raça humana. O protótipo perfeito. A plenitude da Criação do Pai. Nada Deus criou mais perfeito que Maria. Olhar para Maria é ver a perfeição da raça humana e sua representante. Por isso que nas Bodas de Caná ela vai dizer: “Eles não tem mais vinho”. Com isso, ela clama a Deus que realize nossa salvação. Assim como Eva, a primeira mulher, leva, ao homem, a semente do pecado. Maria, nas Bodas, leva a raça humana ao homem verdadeiro, para que realize um vinho novo – a alegria da salvação.

Falar de Maria é olhar para aquela que está na orla da divindade, como nos falam os santos de nossa Igreja. Se nós participamos em Deus pela graça do sacrifício de Cristo, Maria participa pela graça da participação na União Hipostática, na encarnação do Verbo. Onde Ele se encontrava, de forma ativa, em comunhão com o Pai, o Espírito Santo e o Verbo sendo encarnado.

Essa é nossa Mãe, que se apresentou ao povo Brasileiro como a Senhora Negra da Conceição. Bem semelhante a nossa raça.

E hoje presenciamos a manifestação de fé de nosso povo, expressão de amor à Mãe, que tanto beneficia nosso povo com suas bênçãos. São milhares de pessoas que caminham, pedalam, cavalgam, ou mesmo de ônibus e carro demonstram sua gratidão. Neste período da festa o número de romeiros é mais intenso, mas durante todo ano, tanto nos fins de semana como durante a peregrinação é grande.

Temos que refletir: Muitos acham ignorância, falta de conhecimento da Escritura, banalidades e tantas outras coisas. Mas na verdade são verdadeiros filhos que pedem o socorro da Mãe e não são decepcionados e querem com gosto e sacrifício agradecer e comungar com a Senhora do Céu e da Terra. E temos que ir além. Este povo imenso que se sacrifica nos caminhos até a Mãe Aparecida são verdadeiros intercessores pela conversão do mundo inteiro. Fazemos parte do Corpo de Cristo e estamos interligados uns aos outros e nada do que fazemos é isolado. Sempre estamos em comunhão! Ao ponto de Santa Tereza de Jesus dizer: “Uma alma que se eleva, eleva toda humanidade”. Ninguém vai pro Céu sozinho – somos a comunidade dos filhos de Deus unidos à nossa Mãe indo para a Casa do Pai.

“Que alegria quando me disseram: Vamos à casa do Senhor”. (Sl 122,1).

 

Antonio ComDeus