Reflexão 28º Domingo do Tempo Comum – Ano C – 2016

alt

Somos convidados, neste final de semana, a refletirmos sobre a FÉ. A fé não é simplesmente “crer naquilo que não se vê”, ela vai muito mais além de uma relação sobrenatural com Deus, ela dá sinais em nosso meio para que não fique somente no campo abstrato de uma relação mística, fruto de uma ascese espiritual. A fé se manifesta através de sinais que nos leva a aprofundarmos na intimidade com Deus. Mas é importante vermos que, para acontecer os sinais, há a necessidade de crer, isto é, de manifestar a fé.

Eliseu não recebe o Sírio pessoalmente, mas manda dizer para que se vá banhar no rio Jordão. Este sai decepcionado, é convencido pelo seu servo a obedecer ao Profeta e acaba cedendo e assim o milagre acontece – fica curado de sua lepra. Interessante que a fé era mais do servo que de Naamã. Deus tem muitas formas de curar alguém: pode ser pela fé da pessoa que quer a cura, ou de quem intercede ou porque Deus deseja curar. Ele arruma um jeito para realizar seu gesto de amor, é o caso da cura do enfermo, que há trinta e oito anos esperava sua cura na piscina de Betesda, e que nem conhecia o Senhor. (Jo 5, 2ss).

O Sírio Naamã realiza sua profissão de fé após a cura, isto porque, na manifestação de um prodígio de Deus, percebe-se quem Ele é, e sua vida muda. A partir de agora vai servir somente a esse Deus e abandonar os falsos deuses aos quais havia servido em sua vida.

O reconhecimento de Deus se dá nos prodígios realizado por Ele. Por isso que em nossa Igreja deve sempre haver manifestação de curas e milagres. Nossa Igreja é a Igreja dos Milagres. Não podemos nos contentar com uma Igreja de devoções e rituais que não se manifesta nos prodígios Divinos. Jesus, em sua vida pública, pregava e realizava prodígios e os evangelhos sempre nos coloca pregações e ensinamentos acompanhados de milagres e curas (Mc 1, 32-34), ao ponto de não ter tempo para comer, e seu parentes falam “que perdeu o juízo” (Mc 3, 20-21).

Esse é nosso Deus, um Deus encantador que jamais decepciona, veja o que Paulo nos fala neste quiasmo:

se com ele morremos, com ele viveremos.

Se com ele ficamos firmes, com ele reinaremos.

Se nós o negamos, também ele nos negará.

Se lhe somos infiéis, ele permanece fiel”.

Neste quiasmo vemos a contraposição entre morrer e viver; ficar firmes e reinar; negar e negar, mas é rompido pelo último verso em que diante de nossa infidelidade, Deus permanece fiel, pois jamais poderá desdizer-se. Essa é nossa garantia, Deus é sempre o mesmo – Ontem, hoje e sempre (Hb 13,8) – Um Deus fiel que “sempre cumpre o que promete”. Fixemos nossa vida totalmente n’Ele e viveremos a felicidade plena aqui neste mundo – Felicidade é um estado de alma e não ausência de problemas.

Vemos também, no evangelho, a cura de dez leprosos, mas somente um voltou para agradecer a Jesus e reconhecer que Ele é o operador dos milagres. Somente este recebeu a salvação – “Levanta-te e vai! Tua fé te salvou”. Porque os outros nove não voltaram? Eles estavam presos na lei judaica, que mandava ir ao Templo para serem reconhecidas as curas pelos sacerdotes. O Samaritano não estava sob o julgo desta lei e tinha a liberdade de reconhecer quem era Jesus.

Assim, muitos de nós podemos fazer de nossa vida religiosa práticas e ritos formais, buscando uma fidelidade à lei e faltar com o amor e a misericórdia para com o próximo. Muitos, em vista da “lei”, impedem outros – as ovelhas desgarradas – a chegar perto da graça e da salvação. Diz o Papa Francisco – “Nossa tarefa pastoral mais importante […] é reforçar o amor e ajudar a curar as feridas, para podermos impedir o avanço (dos) dramas de nosso tempo”. (AL 246).

A Fé nos leva a seguir os passos do Senhor. Romper com certos critérios que o mundo nos impõe, buscarmos a liberdade de filhos de Deus, conduzidos pelo Espírito Santo, para transformarmos este mundo, como servos fiéis ao Senhor. A tal ponto de que sua glória se manifeste em nosso meio com prodígios e milagres, para que o mundo veja e creia e encontre o caminho de salvação.

Nós, que estamos na caminhada com Cristo, temos que mostrar o rosto de Deus para o mundo e o rosto de Deus é você – Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim. A minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”. (Gl 2, 20).

Antonio ComDeus

 

28º DOMINGO Tempo Comum

 

1ª Leitura – 2Rs 5,14-17

‘Naamã voltou para junto do homem

de Deus’ e fez sua profissão de fé.

 

Salmo – Sl 97,1.2-3ab.3cd-4 (R.cf 2b

 

R.O Senhor fez conhecer a salvação

e às nações revelou sua justiça.

 

2ª Leitura – 2Tm 2,8-13

Se com Cristo ficamos firmes, com ele reinaremos. 

Evangelho – Lc 17,11-19

Não houve quem voltasse para dar glória

a Deus, a não ser este estrangeiro.