13º Domingo do Tempo Comum – Ano C – 2016

alt

Estamos refletindo, este ano, sobre o evangelho de Lucas. Nele vemos de um lado Jesus sempre a caminho e de outro Jesus orante, aquele que sempre está em comunhão com o Pai. Neste final de semana somos convidados a refletir sobre a vocação, aqueles que recebem de Deus um chamado especial de se colocar a serviço do evangelho, mas este chamado é para todos os Batizados. Deus sempre irá capacitar seus filhos para continuar a obra que Jesus iniciou – A implantação do Reino de Deus no mundo. São Paulo nos fala para nos deixarmos conduzir pelo Espírito, pois somente assim poderemos vencer a concupiscência “Pois a carne tem desejos contra o espírito”; certamente esta “carne” que São Paulo nos fala não é a matéria em si, mas o pecado que se manifesta através da pessoa humana. E só poderemos vencer os obstáculos da vida, para seguirmos a Cristo, se formos conduzidos pelo Espírito Santo. Somente Ele pode nos desvencilhar das coisas do mundo – egoísmo, hedonismo, apego exagerado às coisas materiais, dúvidas, crises, abandono em Deus… Do contrário jamais sairemos do lugar e seguiremos o que a sociedade nos dita como certo, como padrão e seremos enjaulados nos critérios do mundo.

No Evangelho nos é apresentados três pessoas que se relacionam com Jesus e cada uma a seu modo tem uma questão a vencer. O primeiro se oferece “Eu te seguirei para onde quer que fores”. Jesus responde sem lhe apresentar nenhuma expectativa para segui-lo, isto é, quem segue Jesus tem que estar disposto a se abandonar plenamente, não tendo nenhuma segurança neste mundo, é um abandono livre nas mãos de Deus que fará o que desejar de seu seguidor, neste sentido as aves e as raposas têm mais segurança que seu seguidor. No segundo caso é Jesus quem chama, mas a pessoa esta preocupada com as coisas deste mundo e coloca estas necessidades à frente do chamado, mas Jesus adverte: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos”. Esta palavra, muitas vezes mal entendida, quer dizer que “os mortos”, isto é aqueles que não foram escolhidos para esta vocação que enterrem aqueles que também não foram escolhidos. Que os homens se preocupem com as coisas do mundo, mas aqueles que receberam um chamado tem que se preocupar com as coisas do Reino. No terceiro caso, este também não foi chamado, ele se oferece, mas coloca Jesus em segundo plano. A resposta de Jesus é clara – quem quer segui-lo e fica desviando o olhar para todas as coisas que o mundo oferece nunca irá fazer um trabalho adequado, sempre estará dividido e isto não serve para o Reino. Se não fixar os olhos no arado, na junta de bois e no sulco que esta abrindo na terra como será a plantação e a colheita? Tudo estará comprometido. Para seguir Jesus tem que ser radical em sua escolha.

Nós sempre estaremos em um conflito, “Há uma oposição entre carne e espírito” e para vencermos termos que buscar intensamente a Vida no Espírito. “Se, porém, sois conduzidos pelo Espírito, então não estais sob o jugo da Lei”. Não percamos tempo, todos nós temos uma missão neste mundo e necessitamos de cumpri-la. De que valeria a vida se um dia, diante de Deus, nos apresentássemos de mãos vazias por que desviamos nosso olhar e nos distraímos com as coisas deste mundo? Será uma infelicidade eterna.

Antonio ComDeus

 

13º DOMINGO Tempo Comum

1ª Leitura – 1Rs 19,16b.19-21

Eliseu levantou-se e seguiu Elias.

Salmo – Sl 15,1-2a.5.7-8.9-10.11(R. 5a)

R.Ó Senhor, sois minha herança para sempre! 

2ª Leitura – Gl 5,1.13-18

Fostes chamados para a liberdade.

Evangelho – Lc 9,51-62

Jesus tomou a firme decisão de partir para Jerusalém.
‘Eu te seguirei para onde quer que fores’.