Reflexão 26º Domingo Tempo Comum – Ano B – 2015

alt

“Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta, e que o Senhor lhe concedesse o seu espírito!”. Moisés diz isso a Josué, uma aspiração de seu coração e um desejo de que todo o povo fosse um canal do Espírito Santo. Mas isso já se deu! O Senhor enviou o Seu Espírito, e hoje recebemos o Espírito Santo em nosso Batismo e somos templos e, portanto todos somos profetas, todos podem falar em nome de Deus. Podemos, pelo Espírito, proclamar as maravilhas de Deus e fazer com que Ele seja realizado em nós e naqueles que se aproximarem de nós. Mas por que isso não acontece de forma mais abundante em nossa Igreja? Porque você e eu temos que nos entregar à ação deste Santo Espírito, que vive em nós. Somos templos de Deus e podemos fazer acontecer o Reino de Deus por onde passarmos. Moisés suspirou por esse dia e esse dia está em nosso meio. O que Moisés diria hoje se visse o que acontece com o povo de Deus? É lastimável que o povo de Deus fique na periferia da vida espiritual, buscando os prazeres da vida ou buscando uma religiosidade de um Deus que resolva seus problemas. Que pena!

Assim, São Tiago está certo, “Vosso ouro e vossa prata estão enferrujados, e a ferrugem deles vai servir de testemunho contra vós e devorar vossas carnes, como fogo!”. Certamente os homens estão cegos, levados pelos bens materiais, buscando uma vida de prazeres, de tranquilidade, mesmo que muitos estejam passando fome, muitos morrendo, muitos levados à vida de escravidão e o povo de Deus inerte diante dos problemas sociais que nos cercam. Mas nada passa por despercebido em Deus e tudo, um dia, será colocadas às claras. Este dia será o pior dia sobre a terra e todo o bem e todo mal de cada pessoa será de conhecimento de todos. Isso se chama Juízo Universal. É melhor ser profeta hoje servindo a Deus na pessoa do próximo do que ser réu de um juízo eterno.

“Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa”. A recompensa virá para todos os que praticam o bem, mas “se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço”. Como vemos nada passará por despercebido.

Jesus nos fala da radicalidade pelo Evangelho. Servir a Deus e anunciar a Boa Nova é o que de mais importante pode existir em nossa vida. E nada pode substituir nossa adesão total a Deus. Que fiquemos aleijados, que fiquemos mutilados, que sejamos totalmente aniquilados, mas nada, nada mesmo, pode nos tirar do caminho do Céu. Esta deve ser nossa meta e isso causa uma loucura de trocar tudo, até a própria vida, para não perder a oportunidade de um dia estar na casa do Pai e poder olhar para Deus e ficar imerso em seu amor por toda a eternidade. O que mais seria importante do que ver o Criador, o Deus que tudo criou por amor e nos fez à sua imagem e semelhança?

É isso que está preparado para nós, desde toda eternidade: a Jerusalém Celeste, cidade em que ninguém entrou e que no último dia todos aqueles que foram resgatados pelo sangue do Cordeiro entrarão, com Ele, em uma oferenda ao Pai. Nada pode nos afastar deste momento.

Ou isso, ou o inferno… você escolhe!


Antonio ComDeus

 

26º Domingo Tempo Comum – Ano B – 2015

 

1ª Leitura – Nm 11,25-29

Tens ciúmes por mim? Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta.

 

Salmo – Sl 18,8.10.12-13.14 (R.8a 9b)

R. A lei do Senhor Deus é perfeita, alegria ao coração

 

2ª Leitura – Tg 5,1-6

Vossa riqueza está apodrecendo.

 

Evangelho – Mc 9,38-43.45.47-48

Quem não é contra nós é a nosso favor. Se tua mão te leva a pecar, corta-a!