Reflexão 24º Domingo Tempo Comum – Ano B – 2015

alt

 

Quem é Jesus?

A grande pergunta para nós hoje é: Quem é Jesus? Para muitos Jesus é um homem poderoso que pode resolver todos os problemas. Para outros é um profeta que faz prodígios. Para outros é um enviado de Deus para nos mostrar o caminho certo a seguir. E para muito poucos Ele é Deus que se fez carne assumindo nossa natureza humana para que, sendo um de nossa raça, pudesse nos redimir dos pecados e nos conduzir a vida eterna. E pra você quem Ele é?

 

Olhando para primeira leitura o Profeta Isaías já nos dá o perfil deste homem e como será sua atuação e as consequências que sofrerá em sua missão. Desta forma, para o povo de Israel, não era desconhecido o que o salvador iria passar e qual seria sua atuação no meio dos homens, e mesmo assim não quiseram aceitar o modelo de salvador que o Pai enviou no meio da humanidade. E pior fizeram exatamente como o profeta havia narrado. Realmente era um povo de cabeça dura, mas será que se estivéssemos no lugar daquele povo agiríamos de forma diferente? Certamente que não. Teríamos um coração duro, pois até hoje a maior parte do povo quer um Deus que resolva todos os seus problemas e que atenda todas as suas necessidades. Veja o que prega as Igrejas adeptas da Teologia da Prosperidade – Deus irá resolver seus problemas e te encher de dinheiro para que você tenha uma vida farta; Não permitirá doenças nem nenhum tipo de sofrimento, pois ele te ama e te dará tudo o que você precisa. Para eles a doença, o sofrimento, a pobreza não vem de Deus e se você está assim é porque Deus não te ama. E você não recebeu o perdão de Deus. Bem certamente este deus não pode ser com letra maiúscula.

 

Mas no evangelho tem duas situações que nos dá um bom motivo para meditação. Primeiro: Tu não pensas como Deus, e sim como os homens”. Isto é algo para meditarmos muito – Será que nossos pensamentos, desejos, aspirações, ideais, metas, projetos… É conforme o pensamento de Deus? Será que vivemos uma vida em comunhão com o Espírito Santo ao ponto dele ter a liberdade de nos orientar em nossas decisões? Ou tomamos as decisões que queremos, fruto de nossas paixões, e depois corremos atrás de Deus para resolver o caos que provocamos? Como podemos pensar como Deus? Qual é o paradigma de Deus em relação – a como viver a vida? Certamente que temos muito que nos aproximarmos de Deus para conhecermos seus pensamentos e sermos moldados pelo Espírito Santo ao ponto de sermos um com Ele. Para isso a vida de oração pessoal é o caminho da intimidade com o Senhor. Como nos fala Santo Padre Pio: “Quem reza muito se salva; quem reza pouco está correndo risco; e quem não reza se perde”.

 

Outro ponto importante é: “Se alguém me quer seguir,renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga”. Muitas vezes entendemos a “cruz” como ter uma vida só de sofrimentos e que Jesus nos chama a sofrer de forma calada como cordeirinhos levados ao matadouro. Isso é muito ruim. Puxa que Deus é esse que nos aponta somente o sofrimento como se gostasse que vivêssemos uma vida sofrida? Não é bem assim. A “Cruz” não pode ser sinônimo de sofrimento, mas de MISSÃO, é a nossa missão neste mundo. Foi para isso que Deus nos criou. Fomos criados dentro de um plano de Deus que quer contar com cada um de nós, em nossos atos livres, para escrever junto com Ele, a história de toda humanidade. Ninguém veio ao mundo por acaso ou sem um plano bem arquitetado por Deus. Em nossa vida devemos sempre nos aproximar de Deus para que possamos conhecer seu plano e realizarmos aquilo a qual fomos destinados. Ai está nossa felicidade, ai está ser verdadeiramente uma pessoa realizada, nada irá substituir esse plano e nada poderá trazer maior felicidade que estar fazendo exatamente o que Deus quer.

 

O mundo nos oferece prazer e nos diz que é felicidade. Deus nos oferece felicidade de onde teremos o maior prazer: Amar, Servir e Adorar a Deus.

 

Felicidade é um estado de alma e não ausência de problemas.

 

Antonio ComDeus

 

 

 

24º Domingo Tempo Comum – Ano B – 2015

 

1ª Leitura – Is 50,5-9a

 

Ofereci minhas costas aos que me batiam.

 

 

 

Salmo – Sl 114,1-2.3-4.5-6.8-9 (R. 9)

 

R. Andarei na presença de Deus, junto a ele, na terra dos vivos.

 

2ª Leitura – Tg 2,14-18

 

A fé se não se traduz em obras, por si só está morta.

 

 

 

Evangelho – Mc 8,27-35

 

Tu és o Messias…O Filho do Homem deve sofrer muito.

 

Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:”Tabela normal”; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:””; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:10.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:”Calibri”,”sans-serif”; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:”Times New Roman”; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:”Times New Roman”; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}