Festa da Assunção de Nossa Senhora – 2015

altCelebrar uma festa a nossa Mãe é realmente uma alegria sem fim. Ao meditar na pessoa de Maria, a forma como Deus a criou, segundo Seu plano de Salvação, onde coloca Maria como a protagonista de um Mistério em que o Verbo iria assumir nossa natureza e tornando-se um de nós, nos resgatar da morte eterna, nos leva a tocar o Céu e saborear a maior alegria que um ser pode sentir aqui neste mundo.

Verdadeiramente Maria é a Mulher do Apocalipse “uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas”. “Vestida de SOL”, esse Sol é Deus Pai que brilha de forma incomensurável nesta filha predileta, a Lua representa a humanidade que recebe a luz de Deus irradiada por Maria, esta que é a representante da humanidade – a ser humana perfeita e a única perfeita entre todos os seres criados – e sobre sua cabeça está a Igreja representada com as doze estrelas que indica o colégio Apostólico. Maria é a Rainha do Céu e da Terra. É a obra prima de Deus. Nada se compara a Maria em toda a criação. Ela gera em seu ventre o “Filho de Deus”. Imagine! É o Filho de Deus, consubstancial ao Pai, Um com o Pai e o Espírito Santo na unidade Trinitária, é Deus e foi gerado no útero de uma Mulher. Afinal, será que sabemos ou imaginamos a grandeza dessa MULHER?

Maria é da nossa raça humana, raça pecadora decaída pelo pecado destinada a morte eterna e Deus a criou de forma espetacular para que a salvação chegasse até nós e se assim não fosse como seríamos salvos? Por isso que quando olhamos para Maria com todas as suas “Graças” vemos a grandeza de sua missão. A saudação do Anjo já nos apresenta a marca de sua missão e a grandeza de sua pessoa: “Ave cheia de Graça”.

Vemos no encontro de Maria com Isabel a proclamação de quem é Maria – “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?”. “Mãe do meu Senhor”, Mãe do meu Kyrios (em grego) que é designação de Deus, então Jesus é Deus desde o ventre materno e certamente Maria é Mãe de Deus (Theotokos). Pois em Jesus nós vemos uma pessoa com duas naturezas (união hipostática – união das duas naturezas na pessoa de Jesus).

Maria é a designada por Deus a gerar Seu filho em nossa humanidade para que pudéssemos ver a Deus com a nossa face, por ela vimos a Deus, recebemos seus ensinamentos e o resgate da perdição eterna. Felizes aqueles que o Espírito Santo revela estas verdades e é somente por Ele que somos instruídos, convencidos e levados a saborear as verdades apresentadas por Deus. Temos uma Mãe dada por Jesus a João aos pés da Cruz e neste momento João a levou para sua casa. Que casa seria essa senão a Igreja instituída pelo Senhor Jesus na pessoa de Pedro e dos Apóstolos? É nossa Igreja onde Maria é a Rainha. E nós conduzidos pelo Espírito Santo fazemos realizar a profecia do Evangelho “eis que agora as gerações hão de chamar-me de bendita”.

Verdadeiramente, Mãe, Tu és bendita entre todas as mulheres, entre todas as raças e línguas, entre todos os seres criados no céu e na terra. A Senhora é a criação mais perfeita do Pai.

“Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo”. Maria é a medianeira de todas as graças não porque ela é a nossa salvadora, mas por que foi por Ela que chegou a nós o Salvador.

Obrigado Mãe de Deus, minha Mãe.

Antonio ComDeus

 

Assunção de Nossa Senhora. Solenidade

1ª Leitura – Ap 11,19a; 12,1-6a.10ab

Apareceu no céu um grande sinal.

 

Salmo – Sl 44(45),10bc.11.12ab.16 (R. 10b)

À vossa direita se encontra a rainha, com veste esplendente de ouro de Ofir.

 

2ª Leitura – 1Cor 15,20-26.28

Entregará a realeza a Deus-Pai, para que Deus seja tudo em todos.

 

Evangelho – Lc 1,39-56

Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha visitar-me?