Reflexão 5º Domingo da Páscoa Ano B – 2015

altQuem permanecer em mim, e eu nele, produz muito fruto.

Nesta liturgia Pascal, vemos Jesus nos orientando a PERMANECER, estar sempre junto ao Senhor e nunca se desgrudar daquele que nos dá a vida e nos conduz a salvação. E qualquer coisa que pedimos recebemos dele, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é do seu agrado”. Este é o sentido de permanecer, é fazer a vontade do Senhor em todas as áreas de nossa vida, é ser testemunha fiel do Senhor, com coragem, com valentia testemunhar o Evangelho a todo o momento. Muitas vezes queremos levar um cristianismo acomodado, viver dentro de uma zona de conforto em que somos servidos pelo Senhor em todas as nossas necessidades. Mas afinal é nós que somos seus servos ou Ele que é nosso escravo? Afinal foi Ele que nos resgatou da morte eterna ou nós que nos elevamos aos Céus? Puxa! Ele é a videira verdadeira e nós os galhos, que estamos fixados na videira. O galho por si mesmo nada pode fazer, ele está fixo no tronco e é alimentado pela seiva, somente assim se torna alguma coisa. Por isso que temos um dever e uma responsabilidade de corresponder ao Senhor segundo sua ordem: “Este é o seu mandamento:que creiamos no nome do seu Filho, Jesus Cristo,e nos amemos uns aos outros,de acordo com o mandamento que ele nos deu”. Portanto ser de Cristo é fazer “obras de amor”, é ser um sinal de sal e luz neste mundo. 

Se nós fomos resgatados por Cristo então temos uma responsabilidade: de manifestar o Reino de Deus em nossas atitudes, em nossas ações, servir sem se cansar, dar tudo de si para que o próximo possa receber o amor de Deus que está em nós. Afinal fomos comprados por um sangue divino e retirados do inferno por um ato de amor que ultrapassa qualquer inteligência. Se nós fomos comprados desta forma, somente teremos vida se permanecermos naquele que nos resgatou. Mas não permanecer de forma passiva como alguém que precisa ser carregado no colo por toda a vida e sim estar de forma ativa transformando a sociedade, não somente com palavras, mas muito mais com atitudes de vida, de salvação.

O que é o ramo? O ramo é aquele que faz parte da videira, pois não existe videira sem os ramos. Mas Deus Pai quis que nós fossemos estes ramos e pudéssemos participar ativamente da videira, isto é, que pudéssemos participar de Seu Amor e sermos geradores de frutos, em Cristo, para o Pai. O Filho ama infinitamente o Pai e quer que o Pai seja adorado, assim o filho desejou que fossemos nós quem entregaria ao Pai os frutos gerados na videira. Por isso que o fruto do Amor de Deus é gerado em nós pelo testemunho que damos do amor infinito de Deus, isto se estivermos enraizados na videira. 

Somos enxertados nesta videira que é Cristo, mas as coisas não acontecem de forma simplista e como uma mudança da água para o vinho, assim como o ouro é provado no fogo e somente assim se purifica, os filhos de Deus são provados no cadinho da humilhação. Portanto, muitas vezes vemos pessoas que passaram por uma conversão e se acham proclamadores da verdade e nem se formaram na fé que estão buscando e muitas vezes não são aceitos pela comunidade ou logo caem, pois a semente não se formou e criou raízes para os momentos de tribulação. Veja o que aconteceu com Paulo, logo após sua conversão já quis pregar a Palavra de Deus, foi perseguido e rejeitado pela comunidade, onde foi para Tarso e lá passou doze anos no anonimato e somente depois deste tempo de aprendizagem com o Senhor é que iniciou sua vida de pregador de Jesus Cristo. Estamos diante da Palavra da Verdade e não podemos querer proclamar esta Palavra com nossas habilidades humanas, mas com o poder do Espírito, para isso temos que nos dobrar diante do Senhor e viver uma vida de intimidade com Ele, até o momento que o Espírito Santo ver que estamos habilitados para sermos um anunciador do Reino. É o Espírito Santo que nos prepara a sermos um galho que está em condição de gerar frutos para o Pai.

Tudo está nas mãos de Deus e Ele dirige a humanidade. O Pai, Filho e Espírito Santo esta construindo o Reino em nós e conosco, temos que fazer nossa opção e estar nele para que sejamos obreiros do Reino do Pai.

Permaneçamos…

Antonio ComDeus

 

5º Domingo da Páscoa – Ano B – 2015

1ª Leitura – At 9,26-31

Contou-lhes como tinha visto o Senhor no caminho

 

Salmo – Sl 21,26b-27.28.30.31-32 (R. 26a)

R. Senhor sois meu louvor em meio à grande assembleia!

2ª Leitura – 1Jo 3,18-24

Este é o seu mandamento: que creiamos e nos amemos uns aos outros

 

Evangelho – Jo 15,1-8

Quem permanecer em mim, e eu nele, produz muito fruto.