Reflexão do 3º Domingo do Avento – Ano B – 2014

alt

Estamos no Advento e neste final de semana se abre uma janela neste tempo litúrgico, onde a espera se faz presente, para colocar a “Alegria”, por isso que é chamado de “Gaudete”, isto mesmo, este final de semana nós queremos, com toda a Igreja, celebrar a LUZ, como nos diz João “o Batista”: “Eu vim para dar testemunho da Luz”. Neste período em que celebramos a espera do Senhor que vem e veio no Natal, mas que esperamos o Senhor que vem para colocar um fim na iniquidade sobre a terra (Universo) e queremos dizer que tudo isso é a alegria da Luz que brilha e transforma a todos aqueles que se abrem ao seu chamado.

Sabemos que João era primo de Jesus, que seus pais eram de idade avançada e que certamente João ficou, logo cedo, órfão de seus pais, mas existia em João, desde o encontro de Maria com Isabel, um chamado de Deus e com isso tinha uma missão, esta missão foi despertada em um período que ele passou com os Essênios que tinham uma espécie de mosteiro próximo ao Mar Morto. Neste período João descobriu sua vocação nos estudos das Sagradas Escrituras e nas tradições de seu povo. E segundo a tradição Jesus também esteve com os Essênios, mas não sabemos por quanto tempo.

João descobre sua vocação e vai pro Jordão batizar as pessoas que querem buscar uma conversão, neste sentido João trás uma novidade, pois até então os Judeus faziam abluções com água no sentido de “se” purificar, mas João começa a batizar, isto é, derramar água sobre as pessoas lavando-as para uma conversão. Agora alguém batiza e isto é totalmente novo.

Mas muito mais que batizar, ele proclama pra que veio: “Eu sou a voz que grita no deserto: Aplainai o caminho do Senhor”, e anuncia quem virá após ele: “no meio de vós está aquele que vós não conheceis, e que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias”. E em outro texto diz: “Eu não o conhecia, mas aquele que me mandou batizar em água disse-me: Sobre quem vires descer e repousar o Espírito, este é quem batiza no Espírito Santo”. (Jo 1,33).

“Que o próprio Deus da paz vos santifique totalmente”. É Jesus, esta Luz que veio ao mundo, e que nos Batiza no Espírito Santo para nos conformar a Deus por isso que devemos assumir a vida de João em nós. Assim como gritava no deserto da Palestina e buscava anunciar a Boa Notícia que o Senhor já estava em nosso meio devemos, hoje, gritar no deserto da indiferença, do orgulho, da ambição, do materialismo, do relativismo… Que Jesus está em nosso meio e que traz uma vida nova através do Batismo no Espírito, isto é, de uma efusão da presença do Espírito, mas como uma nova experiência, um novo Pentecostes.

Somos, hoje, chamados a sermos os novos “Batistas” de nosso tempo a sermos uma voz que grita neste deserto da indiferença. Mesmo que tenhamos que passar pelo ridículo diante desta sociedade consumista, hedonista… Temos que gritar proclamar com audácia (Parresia) o nome de Jesus e buscar salvar pessoas para Deus. Os homens não sabem do perigo a que estão expostos, estão cegos, surdos, mudos, cabe a nós filhos de Deus resgatados pelo sangue de Jesus a fazer a diferença na sociedade mesmo que tenhamos que dar a vida pelos irmãos em Cristo. É o que chamamos de Martírio branco, sem derramamento de sangue, mas de testemunho verdadeiro de sermos seguidores de Cristo e que não compactuamos com o mundo dominado pelo Demônio.

Seja de Cristo. Hoje, e faça a diferença, não tenha medo…

Antonio ComDeus

 

1ª Leitura – Is 61,1-2a.10-11

Exulto de alegria no Senhor.

 

Salmo – Lc 1,46-48.49-50.53-54 (R. Is 61,10b)

R. A minh’alma se alegra no meu Deus.

 

2ª Leitura – 1Ts 5,16-24

Vosso espírito, vossa alma e vosso corpo sejam conservados para a vinda do Senhor.

 

Evangelho – Jo 1,6-8.19-28

No meio de vós está aquele que vós não conheceis.