Reflexão 33º Domingo Tempo Comum – 2014

alt

O Nosso Sistema se chama Evangelho

Paulo nos fala: “Quando as pessoas disserem: ‘Paz e segurança!’”. Ai sobrevirá à desgraça, mas como se está em “paz e segurança”? Temos muito que entender estas profecias de Paulo que irá nos sobrevir nos fins dos tempos. Como é nossa realidade hoje em nossa história? Temos uma insegurança em nossa sociedade que lutamos constantemente para ter um trabalho estável que nos dê segurança para cuidarmos de nossa família. Temos uma insegurança diante de tanta violência ao ponto de não estarmos seguro em nenhum lugar. Temos medo de andar à noite, temos medo de chegar à noite em casa, temos medo no ônibus, na fila do banco, nas praças e qualquer pessoa que chega próximo de nós desconfiamos. 

Quanto à saúde, então, somos tratados como descartáveis diante de um mau atendimento e jogados de todos os lados. Mas, então, quando iremos dizer “paz e segurança”, por que somente assim estaremos próximo do fim, próximos da volta de Jesus que virá como um ladrão? O povo dirá “estamos em Paz e segurança”, mas os filhos de Deus estarão de olhos abertos vendo os sinais diante dos acontecimentos na sociedade.“Mas vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão”. Como podemos interpretar tudo isso?

Imaginemos uma sociedade em que o sistema dê tudo isso ao povo: Segurança no meio social, hospitais, médicos, remédios, bons tratamentos; uma sociedade em que não falte trabalho em que todos têm trabalho e bons salários. Uma sociedade sem violência, sem assassinatos, sem roubos, sem mensalões, sem fraudes. Uma sociedade em que todos estejam bem tratados e vivem em paz. Puxa! É tudo o que desejamos. Mas tem uma questão. Para viver nesta sociedade tem que negar a Deus, não se pode rezar, nem ir a Igreja, pois não haverá igreja, a fé tem que morrer e a liberdade de cada pessoa não existem mais, tudo tem que ser feito conforme o sistema e ninguém podem infringir as “regras”, para que todos tenham “paz e segurança”.

Esta é a busca da NOVA ERA, muitas vezes vemos os presidentes dos países dizerem: “Por uma nova era mundial”, “Por uma nova ordem mundial”. É isto o que eles querem implantar um sistema anti-Deus, ateu que mate Deus no coração dos homens isto é um sistema diabólico que está sendo implantado e que muitos irão aderir, pois irá resolver todos os nossos problemas sociais, e ai haverá divisão dentro da própria casa entre pais e filhos: “O irmão entregará seu irmão à morte. O pai, seu filho. Os filhos levantar-se-ão contra seus pais e os matarão. (Mt 10, 21). Mas os filhos de Deus não aceitarão esse sistema e serão perseguidos e expulsos das cidades e viverão nas matas, desertos, escondidos e perseguidos. “Sereis odiados de todos por causa de meu nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo”. (Mt 10,22). Por isso que Jesus diz:  “quando o filho do Homem vier haverá fé sobre a terra?”.

Como Jesus nos fala no Evangelho. Todos receberam de Deus os talentos e temos uma responsabilidade de construir o Reino de Deus neste mundo á partir de nossas capacidades construindo um mundo melhor e não compactuando com qualquer sistema que seja, o nosso sistema já nos foi apresentado e se chama EVANGELHO, é este sistema que devemos aplicar em nossa vida, assim estaremos colocando em prática nossas habilidade a serviço de Deus e consequentemente estaremos combatendo qualquer sistema criado pelo inimigo de Deus para perder as almas.

Não nos enganemos, estamos num campo de batalhas e temos que ser ousados e destemidos em colocar nossos talentos em combate contra este mundo dominado pelo inimigo de Deus que também é nosso inimigo.

Boa batalha na aplicação de seus talentos.

 

Antonio ComDeus

 

 

33º Domingo Tempo Comum

 

1ª Leitura – Pr 31,10-13.19-20.30-31

Com habilidade trabalham as suas mãos.

 

Salmo – Sl 127,1-2.3.4-5 (R. 1a)

R. Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

 

2ª Leitura – 1Ts 5,1-6

Que esse dia não vos surpreenda como um ladrão.

 

Evangelho – Mt 25,14-30

Como foste fiel na administração de tão pouco, vem participar de minha alegria.