Reflexão 14º Domingo Tempo Comum – 2014

alt

Jugo Suave – Vida no Espírito

Exultemos, irmãos e irmãs que o nosso Rei se apresentou entre nós, Ele veio implantar seu Reino para nos conduzir. Somos chamados a nos render a esse reinado, não como escravos, dominados por um domínio forçado, imposto que nos subjuga a ferro e fogo, mas como o Senhor e Rei que nos chama a tomar sobre nós um jugo suave um peso leve. Muitos de nós já experimentamos de tudo nesta vida e fomos subjugados pelo jugo do hedonismo, da cobiça, da injustiça, da ganância, do ódio, da concorrência desleal, do “passar o outro pra trás” e de tantas coisas que conquistamos na vida fruto de uma escravidão que só trouxe um buraco negro dentro de nosso coração e que muitas vezes nos vimos em um emaranhado de situações e problemas que ficou quase impossível de se libertar.

Jesus nos apresenta seu “jugo” (sinônimo: domínio, submissão, servidão), mas coloca que é suave e leve, pois somos atraídos pelo seu amor e seu reino é de paz. Para todos que já experimentaram o jugo do mundo carregado de pecados que escravizam e matam o que de temos de mais importante – a própria vida – tem agora uma nova opção – aceitar o reinado de Jesus sobre sua vida, pois somente assim “encontrareis descanso” para vossas almas.

Mas isso exige de nós uma opção, de termos Jesus como o Senhor – o DONO de nossas vidas – não é tão simples, pois exige mudança de postura, de atitudes, de comportamento, de mentalidade e isso não é tão fácil. A vida em Cristo é exigente. Então como passar pelo “jugo” do Senhor e se sentir feliz? Como se colocar como escravo do Senhor e ser feliz? Não somos criador e sim criaturas e fomos criados por Deus para participar de sua glória, mas Deus não quer que sejamos forçados a viver com Ele por isso nos deu a liberdade e nos convida a viver em seu amor e neste convite nos revelou tudo, para que pudéssemos conhecê-lo e assim fazermos nossa opção livre por seu amor. Como viemos de Deus somente seremos felizes se a Ele voltarmos.

E diante de nossa pequenez Ele nos socorre em todas as nossas necessidades e depois de tudo nos dar nos convida a viver com Ele e n’Ele. E para que tudo isso se realize plenamente em nós e que possa certificar que nada nos faltará para sermos felizes envia sobre nós Seu Espírito para que sejamos conduzidos pelo próprio amor.

É a vida no Espírito. “O Espírito de Deus mora em vós”. Mas o que é a vida no Espírito? Não basta ser de Deus, tê-lo ao seu lado, saber que é criador, manter uma vida religiosa com práticas devocionais como uma troca de favores ou como algo mecânico que faço tal ação e tenho como resposta tal benefício. Muitos fazem da fé um amuleto mágico em que diante e certas ações recebo tais benefícios. Veja bem ter uma vida devocional não está errado, mas não é o fim da estrada, talvez o início. A vida no Espírito é uma experiência que se manifesta na comunhão com o Espírito e que transforma a vida e tudo muda, nada mais é importante na vida a não ser que leve mais profundamente a Deus. É receber o Espírito como o Mestre de sua vida e que a cada passo Ele irá nos mostrar a melhor decisão e nesta comunhão vamos aprendendo as “coisas do alto”. Vejamos: O quanto conhecemos das coisas espirituais? Quais as experiências que tivemos com as coisas do Céu? Até onde já fomos à experiência mística? O quanto mergulhamos em Deus e O conhecemos de tal forma que sua promessa se realizou em nós? “Coisas que os olhos não viram e os ouvidos não ouviram”. Ou não devemos desejar isso? Mas não somos seres espirituais? E assim como desenvolvemos em nossas vidas nossas capacidades de: estudos, profissão, habilidades, talentos em uma vida social e tivemos um crescimento, não temos também aplicar na vida espiritual e mergulhar naquilo que será a vida em nossa eternidade?

“Vós não viveis segundo a carne, mas segundo o espírito, se realmente o Espírito de Deus mora em vós”.

 

Antonio ComDeus

 

14º Domingo Tempo Comum 

1ª Leitura – Zc 9,9-10

Eis que teu rei, humilde, vem ao teu encontro.

 

Salmo – Sl 144,1-2.8-9.10-11.13cd-14 (R 1)

R. Bendirei, eternamente, vosso nome, ó Senhor!

 

2ª Leitura – Rm 8,9.11-13

Se, pelo Espírito, fizerdes as obras do corpo morrer, vivereis.

 

Evangelho – Mt 11,25-30

Eu sou manso e humilde de coração.