Reflexão Festa da Santíssima Trindade

Celebramos o maior mistério de nossa fé – a Santíssima Trindade – “Um Deus em três pessoas, sendo cada um Deus por inteiro”, não são três que formam um e nem um que se apresenta como se fosse três. Mas verdadeiramente UM só Deus em três pessoas distintas que não se confundem não se separa e que distinguimos a ação de cada um como pessoa e participamos efetivamente na vida de cada uma das pessoas e consequentemente da própria Trindade. O Pai gera o filho desde toda a eternidade e dá a Ele toda a divindade exceto o ser Pai. O Pai e o Filho geram o Espírito Santo o qual é adorado e glorificado como Pai e o Filho. A trindade é consubstancial, isto é, da mesma substância – Deus. Vejamos o que diz o Catecismo de nossa Igreja:

“A Trindade é Una. Não professamos três deuses, mas só Deus em três pessoas: “a Trindade consubstancial”. As pessoas divinas não dividem entre si a única divindade, mas cada uma delas é Deus por inteiro: “O Pai é aquilo que é o Filho, o Filho é aquilo que é o Pai, O Espírito Santo é aquilo que são o Pai e o Filho, isto é, um só Deus por natureza”. “Cada uma das três pessoas é esta realidade, isto é, a substância, a essência ou a natureza divina”. As pessoas divinas são realmente distintas entre si. “Deus é único, mas não solitário”. “Pai”, “Filho”, “Espírito Santo” não são simplesmente nomes que designam modalidades do ser divino, pois são realmente distintos entre si: “Aquele que é o Pai não é o Filho, e aquele que é o Filho não é o Pai, nem o Espírito Santo é aquele que é o Pai ou o Filho”. São distintos entre si por suas relações de origem: “E o Pai que gera, o Filho que é gerado, o Espírito Santo que procede”.

A Unidade é Trina – As pessoas divinas são relativas umas às outras. Por não dividir a unidade divina, adistinção real das pessoas entre si reside unicamente nas relações que as referem umas às outras:‘Nos nomes relativos das pessoas, o Pai é referido ao Filho, o filho ao Pai, o Espírito Santo aos dois;quando se fala destas três pessoas considerando as relações, crê-se, todavia em uma só natureza ou substância’. Pois ‘tudo é uno [neles]’ onde não se encontra a oposição de relação. ‘Por causa desta unidade, o Pai está todo inteiro no Filho, todo inteiro no Espírito Santo; o Filho está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Espírito Santo; o Espírito Santo, todo inteiro no Pai, todo inteiro no Filho’”. (CEC 253-4).

Olhando para Moisés e buscando aqui a comunhão com Deus observamos que Moisés “subiu” ao monte de “madrugada” para falar com Deus e o “Senhor desceu na nuvem e permaneceu com Moisés”, nesta presença Moisés grita, exulta e adora ao Senhor e neste momento faz uma oração de suplica pelo seu povo.

Precisamos aprender com estes mestres da oração. Aquele que ora e tem uma vida regrada de comunhão com Deus em oração estará sempre intercedendo pelo povo, pela igreja e por um mundo melhor. Este sempre será o papel dos homens e mulheres de oração. O “mundo será transformado somente pela oração”. A oração é a primeira forma de evangelização, pois somente aquele que ora sente a necessidade de levar Jesus aos irmãos. Peçamos o Dom de Moisés a Deus.

Mas sabemos, também, que a revelação Trinitária foi um processo dentro da Economia da Salvação (processo) e que somente em Jesus que recebemos a revelação das três Pessoas Divinas. Mas, hoje, olhando para o Antigo Testamento vemos que Deus “falou pelos profetas” do Filho e do Espírito, mas ainda estava velado aos olhos daquele povo. Mas na “Plenitude dos Tempos” Deus envia seu filho que nos revela toda a verdade. Por isso vemos São Paulo dando a benção em nome das três Pessoas: A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós”.

A Comunidade primitiva, apostólica, entendeu de pronto, a mensagem de Jesus e sempre adorou Deus em três pessoas, isto é não houve dúvidas naquilo que Jesus lhes havia revelado.

Que em nossa caminhada de oração possamos manter uma relação de intimidade com cada uma das pessoas da Trindade. Adoremos o Pai fonte de todas as graças, de todas as bênçãos; Adoremos a Jesus que é nosso redentor e que conquistou as bênçãos do Pai; Adoremos ao Espírito Santo que manifesta em nossas vidas as graças do Pai que foi conquistada por Cristo.

E veja bem a Trindade faz habitação em nós e age cotidianamente em nossas vidas. Como na passagem da Videira Verdadeira (Jo 15). Jesus é a videira a qual estamos inseridos nela pelo Batismo, o Espírito Santo é a seiva que leva alimento aos galhos (que somos nós) e o Pai é o agricultor que cuida da videira, rega, aduba, poda e colhe os frutos.

Meditemos na Trindade que faz morada em ação em nossa vida.

Antonio ComDeus (Arque)

 

Solenidade da Santíssima Trindade – Tempo Comum 

1ª Leitura – Ex 34,4b-6.8-9

Senhor, Senhor, Deus misericordioso e clemente.

Salmo – Dn3, 52.53.54-55.56 (R.52b)

R. A vós louvor, honra e glória eternamente!

2ª Leitura – 2Cor 13,11-13

A graça de Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo.

Evangelho – Jo 3,16-18

Deus enviou seu Filho ao mundo, para que o mundo seja salvo por ele.