Domingo de Ramos da Paixão do Senhor – Quaresma

alt

Depois de percorridos os 40 dias de quaresma em que nos preparamos na reflexão, na penitência, no jejum buscando em nosso dia um tempo de reflexão e oração na busca da intimidade com Nosso Senhor. Agora nos colocamos diante do maior mistério de nossa fé e entramos na celebração da maior semana de nosso ano – a Semana Santa – Aqui está nosso maior mistério – Deus que se encarna se tornando um de nós para nos resgatar do pecado e da morte com sua paixão, morte e ressurreição.

Ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz. Este Mistério deve ser pensado, refletido e saboreado em nível mais profundo possível. Diante do pecado de nossos primeiros pais Deus tomou uma posição de salvar seu povo. Isto Deus poderia ter feito de várias formas, mas escolheu a forma mais difícil, mas a que Ele demonstraria a profundidade de seu amor. Assim Ele quis que seu único filho assumisse nossa condição de vida e nos salvasse a partir de nossa humanidade.

Quando vemos nos evangelhos de hoje – Procissão de Ramos e Missa – vemos a conclusão de sua missão. Ele que passou fazendo o bem e não foi entendido pelos homens de poder que manipularam a população para condenar aquele que havia mostrado ao próprio povo que Deus as amava, e esta população manipulada conclama a morte daquele que as pode salvar. Veja bem o povo aclamou sua chegada em Jerusalém cantando “Hosana ao filho de Davi”, mas também aclamou pela morte.

Puxa! Por que Jesus teve que morrer assim? Será que Deus queria isto? Será que Deus exigiu isto? Não foi Deus que exigiu isto, mas a própria maldade dos homens que corrompido pelo pecado exigiu tão grande satisfação. Foi nós, homens que tínhamos rompido nossa relação com Deus desejando mais o mal que o bem e como nós nada poderíamos fazer, pois estávamos todos condenados pelos nossos atos, Deus vem e nos socorre e é fatal a morte cruenta de Jesus. Talvez nós não entendêssemos bem a extensão do PECADO, o quanto causou de danos, de prejuízos na pessoa humana. Só vamos ter uma noção quando olhamos pelo mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor.

Que nesta semana possamos nos dedicar nas celebrações de nossa Igreja, buscando, com toda intensidade mergulhar no mistério de Cristo e saborear todos os momentos de nossa salvação. Que seja uma semana de reflexão, oração, penitência, jejum e muita meditação. Não esqueçamos que a graça nos foi dada, mas precisamos nos esforçar para obtê-la. A “torneira da graça” está em nossas mãos e depende de nós para que ela seja aberta. Abramos e vivamos neste Amor Misericordioso de Deus em Cristo Jesus.

Uma Santa Semana Santa e uma Feliz Ressurreição com o Senhor.

 

Antonio ComDeus

 

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor Quaresma

 

1ª Leitura – Is 50,4-7

Não desviei meu rosto das bofetadas e cusparadas; sei que não serei humilhado.

 

Salmo – Sl 21,8-9.17-18a.19-20.23-24 (R.2a)

R. Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?

 

2ª Leitura – Fl 2,6-11

Humilhou-se a si mesmo; por isso, Deus o exaltou acima de tudo.

 

Evangelho – Mt 26,14-27,66

+ Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Mateus 26,14-27,66

O que me dareis se vos entregar Jesus?