Reflexão 4º Domingo do Advento

alt

Estamos celebrando o tempo da espera do Senhor, que vem, tempo do Advento, tempo de olharmos para nossa caminhada em Deus e refletirmos como anda nossa caminhada de santidade, o que estamos fazendo efetivamente, em nossa vida, a nos preparar para o Céu. É tempo de celebração e tempo de reflexão. Neste tempo olhamos para os mistérios de Deus que envolvem nossas vidas e suas atitudes que contradiz a normalidade do mundo realizando ações no meio dos homens provocando toda a humanidade para realizar seu projeto de salvação. Veja se não é contraditória a normalidade humana: – Deus se encarna – “Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. (Fil 2, 6-7); 

Como podemos entender que Deus tomou nossa condição humana e se fez um de nós? É uma intervenção de Deus de forma direta na história dos homens – Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel”. Uma virgem diz a Sagrada Escritura, como pode uma mulher virgem dar a luz a uma criança? Certamente somente Deus poderia realizar este milagre. E assim podemos ver cada ação de Deus para a salvação da humanidade. Portanto temos muito que celebrar muito que mergulhar neste mistério e contemplar o grande amor com que Deus nos amou.

Olhando para a pessoa de Maria vemos Deus preparando com todo cuidado o tabernáculo onde iria colocar seu filho, não deixou faltar nada a encheu de Graça, preservou de todo o pecado mergulhou-a na plenitude do Espírito Santo fazendo dela sua esposa. Que coisa mais sublime olhar para Maria e ver uma pessoa de nossa raça, de nossa humanidade pura e perfeita. Assim deveria ser todo ser humano. Ela é o exemplar perfeito de uma pessoa humana é o que deveríamos ser e que o pecado nos desfigurou. Mas temos uma entre nós, plena e perfeita, a única preparada para receber o salvador e ser sua Mãe, Serva e Discípula.

Neste período do advento não podemos deixar de olhar para nossa Mãe e agradecer a ela pelo SIM que nos mereceu tão grande salvador. Mas também devemos olhar para São José, homem justo, isto é santo que foi escolhido para ser o pai nutrício de Jesus, cuidar da casa de Nazaré, dar-lhes o provento diário e educar o filho de Deus e ensinar-lhe uma profissão. Como deveria ser o clima dentro daquela casa? Como era a relação José, Maria e Jesus? O que conversavam? Quais as histórias contadas entre eles? Como era o dia-a-dia, a rotina de vida? Será que existem pessoas no mundo mais cheio de graças que Maria e José? José o Pai de nossa Igreja, homem do silêncio que entra e sai da história carregando um dos maiores fardos que uma pessoa poderia carregar e não se tem nenhuma palavra registrada dita por ele. Mas seu exemplo diz tudo o que ele era.

Em nossa comunidade rezamos todos os dias esta oração dedicada ao nosso glorioso São José:

“São José. Fiel guardião da Casa de Nazaré, escolhido por Deus para administrar e zelar pela Sagrada Família. E que diante de tão grande missão por ti realizada com tanto esmero e apresentando-a ao Pai com as mãos cheias de dignas realizações. Recorro a ti para que administre a minha vida nas áreas: social, profissional, nos negócios, nos bens, na minha vida espiritual, familiar e de comunidade. Sendo para mim um intercessor predileto. Querido São José. Valei-me em todas as minhas necessidades. Amém”.

 

Antonio ComDeus

 

1ª Leitura – Is 7,10-14

Eis que uma virgem conceberá.

 

Salmo – Sl 23,1-2.3-4ab.5-6 (R. 7c e 10b)

R. O rei da glória é o Senhor onipotente; abrí as portas para que ele possa entrar!


2ª Leitura – Rm 1,1-7

 

Jesus Cristo, descendente de Davi, filho de Deus.

 

Evangelho – Mt 1,18-24

Jesus nascerá de Maria, prometida em casamento a José, filho de Davi.