Reflexão 23º Domingo do Tempo Comum 2013

 

altAproveitando o mês da Bíblia podemos nos dedicar a leitura da Palavra de Deus com maior intensidade procurar absorver nosso espírito na Palavra de Deus, neste sentido é importante praticarmos a Leitura Orante (Lectio Divina) na busca de chegarmos a contemplação na mais profunda intimidade com Deus.

 

Olhando na liturgia deste fim de semana vemos o Senhor nos convidando a buscarmos uma vida de simplicidade e pobreza tendo como meta a sabedoria de Deus em nosso caminhar. “Acaso alguém teria conhecido o teu desígnio, sem que lhe desse a Sabedoria e do alto lhe enviasse teu santo espírito?”. Quando não temos a direção do Espírito Santo ficamos com: “o corpo corruptível (que) torna pesada a almae, tenda de argila, oprime a mente que pensa”.

Na verdade não somos senhores de nós mesmos porque não sabemos dirigir nossa vida sem a ajuda do Alto. Sem o auxilio do Espírito de Deus nos tornamos pessoas corruptíveis e edificamos em nossa vida uma construção em argila que pesa e não se sustenta. Portanto não somos parâmetro de nós mesmos e a verdade não se encontra em nossa natureza, fomos contaminados pelo pecado e nada em nós tem consistência que possa gerar algo de bom e construtivo. Por isso que o Senhor nos deixou Sua Palavra e assumiu nossa natureza decaída e se fez para nós caminho de salvação. Cristo assumindo nossa natureza veio resgatar o que o primeiro homem-compêndio destruiu. Jesus o novo homem-compêndio recapitulou em si toda a natureza decaída e fez nova todas as coisas. A Sabedoria se manifesta no coração que se humilha reconhecendo sua indignidade diante do grande amor que se manifestou a nós. “Só assim se tornaram retosos caminhos dos que estão na terra,e os homens aprenderam o que te agrada, e pela Sabedoria foram salvos”.

 

Esta sabedoria se vê em Paulo, que velho e preso por causa do Evangelho, envia Onésimo de volta ao seu Senhor mesmo precisando dele em sua penúria. Onésimo, um fugitivo, que se converte a Cristo pelas mãos de Paulo e que tendo a dívida da fuga, Paulo o envia novamente ao seu senhor, mas com as recomendações de Cristo para que Filêmon o receba com irmão e não mais como escravo. Paulo evita, assim uma possível rebelião de outros escravos. É a Sabedoria do Espírito que orienta os passos do Apóstolo no caminho da verdade e da justiça mesmo tendo por Onésimo um grande amor: “Ele é como se fosse o meu próprio coração”.

 

Quando o Senhor nos fala a renunciar tudo, até a própria vida, é se desapegar ao ponto de sofrer qualquer privação para que a verdade esteja em todos e em tudo. Por isso que devemos tomar a nossa cruz e seguir atrás de Jesus. Neste aspecto tomar a cruz não é necessariamente ter uma vida de sofrimento e dor, mas é assumir sua missão e ser feliz por estar seguindo “ATRAZ” de Jesus, isto, sempre com os olhos fixo n’Ele para ter a sabedoria de fazer, a todo o momento, o que Ele faria. Por isso que temos que ter consciência de onde estamos colocando a nossa vida para que não aconteça de, no meio do caminho, desistir e naufragar. Infelizmente muito começam e não conseguem levar sua decisão até o fim. As atrações do mundo, o apego às coisas da terra, a ambição desmedida, os prazeres da vida… Arrasta a pessoa para o precipício da morte eterna.

 

Não sejamos crianças ao sabor de qualquer doutrina, de qualquer vento que passa. Somos chamados a ser soldados de Cristo que tem Ele como general o qual podemos seguir atrás por Ele mesmo nos diz: “Coragem, eu venci o mundo” (Jo 16, 33). Estamos diante do Rei da Glória: “Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor”. (Fil2, 9-11). Para que esta verdade esteja em nós e não nos desfaleçamos pelo caminho temos que cultivar nossa vida no Espírito e não ter medo de ser diferente na sociedade em que vivemos. “Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós,se não renunciar a tudo o que tem,não pode ser meu discípulo!”.

 

Senhor nos dê a graça do abandono de nós mesmos para que seja tudo em nós e possamos dizer como Paulo: Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim”. (Gal 2, 20).

 

 

 

Antonio ComDeus

 


 

 

23º DOMINGO Tempo Comum

 

 

 

1ª Leitura – Sb 9,13-18 (gr.13-18b)

 

Quem pode conhecer os desígnios do Senhor?

 

 

 

Salmo – Sl 89,3-4.5-6.12-13.14 17 (R.1)

 

R.Vós fostes, Ó Senhor, um refúgio para nós.

 


2ª Leitura – Fm 9b-10.12-17

 

Recebe-o, não mais como escravo mas como um irmão querido.

 

 

 

Evangelho – Lc 14,25-33

 

Qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!