Reflexão 1º Domingo da Quaresma

alt

Este tempo é de reflexão, meditação e revisão de vida. A Igreja nos proporciona um tempo maior de conversão para fortalecer nossa caminhada de santidade em busca do alvo estabelecido por Deus – A Vida Eterna. Portanto desde o Antigo Testamento Deus vem instruindo seu povo a como relacionar com Ele e mostra em detalhes a gratidão que o povo tem que ter com Deus diante de seu amor misericordioso. No Livro do Deuteronômio vemos as instruções de Deus dada por Moisés de como Deus guiou seu povo da escravidão à terra que corre leite e mel e que seu povo deve refletir sobre estes acontecimentos e se colocar em adoração ao Deus que socorre e dirige seu povo. Certamente que este texto tem também o sentido anagógico em que a terra prometida é a Jerusalém Celeste que virá no final dos tempos.

De outro lado podemos ver, em nossa vida, o que nos falta para louvar e agradecer a Deus pelos inúmeros benefícios que Ele nos faz? Será que retribuímos a Ele em louvor, adoração, testemunho de vida, caridade para com o próximo, zelo pelo evangelho…? É quaresma, tempo de reflexão. Quantas vezes ao dia você se dobra diante de seu Deus em adoração? Adorar é prostrar. Não seria bom termos um propósito de vida em adorar o Senhor todos os dias prostrando diante d’Ele, pode ser no seu quarto, na sala de sua casa, na igreja, enfim se dobre diante do Senhor e o adore. Faça isso todos os dias e sua vida terá um novo sentido. “De fato, todo aquele que invocar o Nome do Senhor será salvo”. O que está em jogo é nossa salvação. São Paulo nos ensina que “É crendo no coração que se alcança a justiça e é confessando a fé com a boca que se consegue a salvação”. Fé é atitude, tem que ser mostrada e proclamada com gestos e palavras tem que ser testemunhada radicalmente em todas as áreas de nossa vida, não basta apenas crer, isso o Demônio também faz, Ele acredita em Deus, sabe do seu poder e reconhece sua onipotência, mas não se dobra diante d’Ele, não O adora e nem O proclama com Senhor de sua vida. “De fato, todo aquele que invocar o Nome do Senhor será salvo”.

 

No Evangelho vemos o Senhor depois de seu Batismo indo para um tempo de retiro que em oração irá se preparar para sua vida pública e neste tempo de oração o inimigo vem provar sua fé e sua decisão. Mas não é assim também conosco? Quando nos colocamos mais em oração e procuramos uma vida de santidade não é verdade que somos mais provados? Sim é verdade quanto mais aproximamos da luz as trevas reclamam, mas o poder de Deus nos acompanha com seu Espírito e com Sabedoria.

 

 

 

Mas ao ver este texto onde Jesus foi provado de três formas: Prazer, Possuir e Poder. São os três “Ps” onde ocorre todo o tipo de pecado. Por isso trago um texto de nosso Mestre Evagro, um pai espiritual dos tempos dos padres do deserto, no século três de nosso tempo. Diz ele:

 

Dentre os demônios que se opõem à prática, os primeiros a se apresentar ao combate são aqueles encarregados dos apetites da gula, os que nos sugerem a avareza e os que nos estimulam a procurar a glória humana[1]. Todos os outros caminham atrás destes, recolhendo aqueles que eles feriram. Com efeito, não é possível cair nas mãos do espírito da fornicação, sem antes haver sucumbido à gula; não é possível deter a parte irascível se não a combatermos por via dos alimentos, das riquezas e da glória; não é possível fugir do demônio da tristeza se nos sentirmos privados de tudo isto ou se não os pudermos adquirir[2]; tampouco escaparemos do orgulho, o primeiro broto do diabo, se não banirmos “a avareza, raiz de todos os males”[3], porque, como disse o sábio Salomão, “a pobreza torna humilde o homem”[4]. Em poucas palavras, não é possível que alguém sucumba ao demônio, sem antes ter sido ferido pelos assaltantes da primeira fileira. É por isso que foram estes os três pensamentos que o diabo outrora apresentou ao Salvador, convidando-o primeiramente a transformar as pedras em pães, prometendo-lhe em seguida o mundo inteiro se ele se prosternasse para adorá-lo, e em terceiro lugar dizendo-lhe que, se ele o obedecesse, ele seria glorificado por não sofrer dano algum de tal queda. Mostrando-se superior a estas tentações, Nosso Senhor ordenou ao diabo que se retirasse; com isto ele nos ensina que não é possível afastar o diabo sem antes desprezar estes três pensamentos.

 

É tempo de reflexão. Que este texto possa proporcionar a você um bom momento para se deter diante de Deus em adoração e louvor.

 

 

 

Proclame, grite, “JESUS É O MEU SENHOR!”

 

 

 

Antonio ComDeus



[1][10]        Encontraremos a trilogia “alimentos, riquezas e glória” nos capítulos 3, 5 e 22. A mesma doutrina dos três vícios fundamentais aparece nas Cartas: “Alguém adquire a caridade que despreza o alimento, a riqueza e a glória do mundo, e com isto renega seu corpo por amor à ciência de Deus. Como pode o homem ser paciente para com quem o feriu no rosto, se amar a glória ou se amar seu corpo que foi maltratado? Como não se vingará, disputando com que tomou seus bens, se ainda estiver sujeito à paixão pelos alimentos e pela riqueza?” Compare-se com Discípulos, 82 (*): “Domine a gula, a cupidez e a vanglória, e você não mais se irritará nem se entristecerá jamais.”

                (*) Coletânea de ensinamentos de Evagro, recolhidos fielmente por seus discípulos.

[2][13]        A tristeza nasce no mais das vezes de uma frustração (stéresis).

[3][14]       1 Timóteo, VI, 6-10: “Eles supõem que a piedade é fonte de lucro. De fato, a piedade é grande fonte de lucro, mas para quem sabe se contentar. Pois não trouxemos nada para o mundo, e dele nada podemos levar. Se temos o que comer e com que nos vestir, fiquemos contentes com isto. Aqueles, porém, que querem tornar-se ricos, caem na armadilha da tentação e em muitos desejos insensatos e perniciosos, que fazem os homens afundarem na ruína e perdição. Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro. Por causa desta ânsia de dinheiro, alguns se afastaram da fé e afligem a si mesmos com muitos tormentos.”

[4][15]       Provérbios, X, 4.

Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:”Tabela normal”; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:””; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:2.85pt; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:0cm; mso-para-margin-left:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; text-align:justify; line-height:12.0pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:”Calibri”,”sans-serif”; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:”Times New Roman”; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:”Times New Roman”; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

 —-

 

1ª Leitura – Dt 26,4-10

 

Profissão de fé do povo eleito.

 

Leitura do Livro do Deuteronômio 26,4-10

 

Assim Moisés falou ao povo:

 4O sacerdote receberá de tuas mãos a cesta

 e a colocará diante do altar do Senhor teu Deus.

 5Dirás, então, na presença do Senhor teu Deus:

 ‘Meu pai era um arameu errante,

 que desceu ao Egito com um punhado de gente

 e ali viveu como estrangeiro.

 Ali se tornou um povo grande, forte e numeroso.

 6Os egípcios nos maltrataram e oprimiram,

 impondo-nos uma dura escravidão.

 7Clamamos, então, ao Senhor, o Deus de nossos pais,

 e o Senhor ouviu a nossa voz e viu a nossa opressão,

 a nossa miséria e a nossa angústia.

 8E o Senhor nos tirou do Egito

 com mão poderosa e braço estendido,

 no meio de grande pavor, com sinais e prodígios.

 9E conduziu-nos a este lugar

 e nos deu esta terra, onde corre leite e mel.

 10Por isso, agora trago os primeiros frutos da terra

 que tu me deste, Senhor’.

 Depois de colocados os frutos

 diante do Senhor teu Deus,

 tu te inclinarás em adoração diante dele.

 Palavra do Senhor.

 

Salmo – Sl 90,1-2.10-11.12-13.14-15 (R. cf.15b)

 

R. Em minhas dores, ó Senhor, permanecei junto de mim!

 

1Quem habita ao abrigo do Altíssimo*

e vive à sombra do Senhor onipotente, 

2diz ao Senhor: ‘Sois meu refúgio e proteção,*

sois o meu Deus, no qual confio inteiramente’. R. 

10Nenhum mal há de chegar perto de ti,*

nem a desgraça baterá à tua porta;

11pois o Senhor deu uma ordem a seus anjos*

 para em todos os caminhos te guardarem. R. 

 

12Haverão de te levar em suas mãos,*

para o teu pé não se ferir nalguma pedra.

13Passarás por sobre cobras e serpentes,*

pisarás sobre leões e outras feras. R. 

 

14’Porque a mim se confiou, hei de livrá-lo*

e protegê-lo, pois meu nome ele conhece.

15Ao invocar-me hei de ouvi-lo e atendê-lo,*

e a seu lado eu estarei em suas dores. R.

 

2ª Leitura – Rm 10,8-13

 

Profissão de fé dos que crêem em Cristo.

 

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 10,8-13

 

Irmãos:

 😯 que diz a Escritura?

 – ‘A palavra está perto de ti,

 em tua boca e em teu coração’.

 Essa palavra é a palavra da fé, que nós pregamos.

 9Se, pois, com tua boca confessares Jesus como Senhor

 e, no teu coração,

 creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo.

 10É crendo no coração que se alcança a justiça

 e é confessando a fé com a boca

 que se consegue a salvação.

 11Pois a Escritura diz:

 ‘Todo aquele que nele crer não ficará confundido’.

 12Portanto, não importa a diferença entre judeu e grego;

 todos têm o mesmo Senhor,

 que é generoso para com todos os que o invocam.

 13De fato,

 todo aquele que invocar o Nome do Senhor será salvo.

 Palavra do Senhor.

 

Evangelho – Lc 4,1-13

 

Jesus, no deserto, era guiado pelo Espírito e foi tentado.

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 4,1-13

 

Naquele tempo:

 1Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão,

 e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito.

 2Ali foi tentado pelo diabo durante quarenta dias.

 Não comeu nada naqueles dias

 e depois disso, sentiu fome.

 3O diabo disse, então, a Jesus:

 ‘Se és Filho de Deus, 

 manda que esta pedra se mude em pão.’

 4Jesus respondeu: ‘A Escritura diz:

 ‘Não só de pão vive o homem’.’

 5O diabo levou Jesus para o alto,

 mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo

 6e lhe disse:

 ‘Eu te darei todo este poder e toda a sua glória,

 porque tudo isso foi entregue a mim

 e posso dá-lo a quem eu quiser.

 7Portanto, se te prostrares diante de mim em adoração,

 tudo isso será teu.’

 8Jesus respondeu: ‘A Escritura diz:

 ‘Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás’.’

 9Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém,

 colocou-o sobre a parte mais alta do Templo,

 e lhe disse: ‘Se és Filho de Deus,

 atira-te daqui abaixo!

 10Porque a Escritura diz:

 Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito,

 que te guardem com cuidado!’

 11E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos,

 para que não tropeces em alguma pedra’.’

 12Jesus, porém, respondeu: ‘A Escritura diz:

 ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’.’

 13Terminada toda a tentação,

 o diabo afastou-se de Jesus,

 para retornar no tempo oportuno.

 Palavra da Salvação.