Reflexão 33º Domingo do Tempo Comum

alt

Muitas vezes queremos escapar de certas reflexões do evangelho pelo comprometimento que ele nos oferece, mas é Palavra de Deus. Sabemos que Jesus assumiu nossa condição humana, se fez homem em tudo, exceto no pecado, para nos libertar da morte eterna proporcionando a volta do homem na amizade com Deus e conseqüentemente a Vida Eterna. Mas por outro lado sua missão ainda não acabou. Jesus veio pagou o preço de nossos pecados na cruz e em sua ressurreição nos trouxe a vida eterna e com isso venceu o Demônio e a morte. De tal forma que nosso mundo material que estava entregue ao mal foi resgatado por Jesus, mas Jesus ainda não tomou posse de sua conquista e isso vai acontecer no último dia em sua vinda gloriosa, na Parusia, no dia do juízo final. Assim neste tempo subsiste no mundo a Graça conquistada por Cristo e o mal com suas concupiscências que tenta arrastar o homem para a morte eterna.

 


Este período que é o tempo da Igreja onde acontece o resgate por Deus de seus eleitos pelo sangue de Jesus derramado na cruz e o tempo do Espírito Santo em santificar os que pertencem a Deus para que os planos d’Ele sejam realizados. Tempo difícil. Muitos mistérios que foram revelados, mas ainda não foram entendidos em sua plenitude e talvez nem seja entendido, mas será vivido, pois é certo que o Senhor virá para julgar os vivos e os mortos.

É sobre isso que a primeira leitura nos diz. Que será a alegria daqueles que esperam a salvação e a glória junto com Deus. Será um tempo difícil para os que estão longe de Deus, mas para os inscritos no livro de Deus será uma plenitude sem fim. Porque foram salvos. É nisto que nos dá a certeza na segunda leitura quando Hebreus nos diz sobre o sacrifício de Jesus: “Porque, com uma única oblação, Ele tornou perfeitos para sempre os que Ele santifica. Onde há remissão dos pecados, já não há necessidade de oblação pelo pecado”. “Os que ele santifica”. São todos os que ouvem a voz do Senhor e se rendem ao seu chamado, os que renunciam tudo na vida e colocam Jesus como o centro e tudo o que a vida oferece só será aceito se estiver conforme a vontade ao Senhor. Estes são seus servos que ouvem a voz de seu Senhor e dão a vida para servir e segui-lo pelas sendas deste mundo que passa.

Portanto temos que refletir sobre nossa entrega a Jesus, que não seja algo displicente, indiferente, negligente. Em que certas horas vivemos a fé e em outros momentos vendemos Jesus por menos de trinta moedas – Judas vendeu por trinta moedas – em nossos pecados, negócios, prostituições em cenas eróticas pela TV e filmes e em muitos casos entregando a própria luxuria e tantas outras formas de pecado. Como será que está a balança de nossos atos? Se Jesus viesse neste momento como estaríamos em nosso julgamento? Que cada um examine-se a si mesmo e procure recuperar o tempo perdido. É bom começar pelo exame sincero dos pecados e uma boa confissão, comunhão e lutar na oração pessoal para ficar em estado de graça. Não é difícil, se fosse Jesus teria nos dado outro caminho para nos mantermos na santidade. De outro lado Ele nos deu o Espírito Santo do qual somos templos. Peçamos ao Mestre de nossa alma que nos direcione no caminho da santidade no amor ao próximo servindo a Deus no irmão.

São João nos diz: “Filhinhos meus, isto vos escrevo para que não pequeis. Mas, se alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo”. (I Jo 2,1)

Graças sejam dadas a Deus que nos deu um grande Salvador.

 

Antonio ComDeus

LEITURA I – Dan 12,1-3

Leitura da Profecia de Daniel

Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande chefe dos Anjos,

que protege os filhos do teu povo.

Será um tempo de angústia,

como não terá havido até então, desde que existem nações.

Mas nesse tempo, virá à salvação para o teu povo,

para aqueles que estiverem inscritos no livro de Deus.

Muitos dos que dormem no pó da terra acordarão,

uns para a vida eterna,

outros para a vergonha e o horror eterno.

Os sábios resplandecerão como a luz do firmamento

e os que tiverem ensinado a muitos o caminho da justiça

brilharão como estrelas por toda a eternidade.

 

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 15 (16)

Refrão 1: Defendei-me, Senhor: Vós sois o meu refúgio.

Refrão 2: Guardai-me, Senhor, porque esperei em Vós.

Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,

está nas vossas mãos o meu destino.

O Senhor está sempre na minha presença,

com Ele a meu lado não vacilarei.

Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta

e até o meu corpo descansa tranqüilo.

Vós não abandonareis a minha alma na mansão dos mortos,

nem deixareis o vosso fiel sofrer a corrupção.

Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,

alegria plena em vossa presença,

delícias eternas à vossa direita.

 

LEITURA II – Heb 10,11-14.18

Leitura da Epístola aos Hebreus

Todo o sacerdote da antiga aliança

se apresenta cada dia para exercer o seu ministério

e oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios,

que nunca poderão perdoar os pecados.

Cristo, ao contrário,

tendo oferecido pelos pecados um único sacrifício,

sentou-se para sempre à direita de Deus,

esperando desde então que os seus inimigos

sejam postos como escabelo dos seus pés.

Porque, com uma única oblação,

Ele tornou perfeitos para sempre os que Ele santifica.

Onde há remissão dos pecados,

já não há necessidade de oblação pelo pecado.

ALELUIA – Lc 21,36

Aleluia. Aleluia.

Vigiai e orai em todo o tempo,

para poderdes comparecer diante do Filho do homem.

 

EVANGELHO – Mc 13,24-32

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

Naquele tempo,

disse Jesus aos seus discípulos:

«Naqueles dias, depois de uma grande aflição,

o sol escurecerá e a lua não dará a sua claridade;

as estrelas cairão do céu

e as forças que há nos céus serão abaladas.

Então, hão de ver o Filho do homem vir sobre as nuvens,

com grande poder e glória.

Ele mandará os Anjos,

para reunir os seus eleitos dos quatro pontos cardeais,

da extremidade da terra à extremidade do céu.

Aprendei a parábola da figueira:

quando os seus ramos ficam tenros e brotam as folhas,

sabeis que o Verão está próximo.

Assim também, quando virdes acontecer estas coisas,

sabei que o Filho do homem está perto, está mesmo à porta.

Em verdade vos digo:

Não passará esta geração sem que tudo isto aconteça.

Passará o céu e a terra,

mas as minhas palavras não passarão.

Quanto a esse dia e a essa hora, ninguém os conhece:

nem os Anjos do Céu, nem o Filho;

só o Pai».