6º Domingo do Tempo Comum – Ano 2012

Hoje vemos na reflexão dominical o caso da impureza, temos como personagem a lepra que era um grande problema para o povo hebreu e que trazia muitas complicações em sua vida social. Vemos Deus colocando a lei – Puro e Impuro – Assim todo impuro deveria se portar de forma que a sociedade soubesse e no caso da lepra ser afastado do convívio social. Era uma forma de discriminação justa para preservar sociedade de um mal maior.

Vejamos uma reflexão do Pe Luis Carlos Lody –  http://www.providaanapolis.org.br:

Existem discriminações justas – Existem discriminações justas e até mesmo necessárias. A discriminação é, de fato, uma das práticas mais normais da vida social. Todos nós a praticamos dia a dia. Ao aplicar uma prova, o professor discrimina os alunos que tiraram notas altas daqueles que tiraram notas baixas. Aqueles são aprovados. Estes são reprovados. Ao escolher o futuro cônjuge, as pessoas geralmente fazem uma discriminação rigorosa, baseadas em diversos critérios: qualidades morais, inteligência, aparência física, timbre de voz, formação religiosa etc. Entre centenas ou milhares de candidatos, somente um é escolhido. Os outros são discriminados. Ao selecionar seus empregados, as empresas fazem uma série de exigências, que podem incluir: sexo, escolaridade, experiência profissional, conhecimentos específicos, capacidade de relacionar-se com o público etc. Certos concursos para policiais ou bombeiros exigem, entre outras coisas, que os candidatos tenham uma determinada altura mínima, que não ultrapassem certa idade e que gozem de boa saúde. Todos esses são exemplos de discriminações justas e necessárias.

Existem discriminações injustas – Se é justo privar da liberdade um criminoso (que perdeu o direito a ela pela prática de seu crime), não é justo negar a liberdade a alguém em virtude de sua cor. A escravidão dos negros, abolida no Brasil em 1888, é um exemplo de discriminação injusta. Também não é justo privar uma criança do direito à vida por causa de uma doença incurável, como querem os defensores do aborto eugênico. Um bebê deficiente tem o mesmo direito de nascer que um bebê sadio. Não é justo que a Igreja prive alguém da Santa Missa ou dos sacramentos por causa de sua pobreza ou condição social. Mas é justo (e necessário) que aqueles que estão em pecado grave abstenham-se da Comunhão Eucarística, sob pena de cometerem um sacrilégio.

No caso do Povo de Israel podemos notar que muitas das Leis estabelecidas por Deus eram para preservar a sociedade de uma calamidade pública ou para impedir que doenças se proliferassem como no caso: Lavar as mãos ao voltar do mercado; a menstruação da mulher que devia ser respeitada ao ponto de nem tocar em mulher nesta situação; A própria circuncisão, que na verdade era uma operação de fimose, onde preservava o homem de complicação com a higiene no futuro. Certamente que a impureza era visto como conseqüência de um pecado que a pessoa havia cometido contra Deus e precisaria se purificar ou isolar de Deus e do povo. Era uma maldição dada por Deus.

Por isso que o leproso que se apresenta a Jesus vem buscar não só a cura física, mas o retorno a amizade com Deus. Certamente vê em Jesus a grande possibilidade de voltar a ser uma pessoa reconhecida e respeitada na sociedade. E com toda certeza tem que proclamar a todos sua cura manifestando sua satisfação de ser curado, isto é de voltar a ser “puro” diante de Deus e de ser aceito na sociedade como uma pessoa normal. Jesus é aquele que traz de volta a dignidade da pessoa restituindo tudo o que foi perdido. Certamente que a maior lepra que temos hoje em nossa sociedade é o PECADO, este gera discriminação negativa.

Assim devemos imitar Paulo não buscando benefícios só para si, mas vendo o que está sendo injusto em nossa sociedade e buscar que a verdade estabelecida por Deus seja respeitada em todas as instâncias de nossa sociedade.

E de outro lado podemos ver quais as lepras que temos em nosso coração que nos afasta de Deus, que nos impede de termos uma relação de amizade, de intimidade com Ele. Não podemos esquecer que Deus é uma pessoa e quer que relacionemos com Ele neste grau de amizade que se constrói a cada dia nas atitudes que tomamos tanto em relação a Ele como em relação aos irmãos. Jesus é o único que reconstrói a nossa dignidade de forma plena e definitiva. Acorramos ao Senhor e com Ele teremos uma vida nova e com toda certeza não ficaremos em silêncio, iremos proclamar a todos em alta voz e bom som que fomos libertos de nossos males porque encontramos o Senhor da Vida.

E Ele dirá: “Eu quero, sê purificado”.

 

Antonio ComDeus


 

1ª Leitura – Lv 13,1-2.44-46

O leproso deve ficar isolado e morar fora do acampamento

 

Leitura do Livro do Levítico 13,1-2.44-46


1O Senhor falou a Moisés e Aarão, dizendo:

2’Quando alguém tiver na pele do seu corpo

alguma inflamação, erupção ou mancha branca,

com aparência do mal da lepra,

será levado ao sacerdote Aarão,

ou a um dos seus filhos sacerdotes.

44Se o homem estiver leproso é impuro,

e como tal o sacerdote o deve declarar.

45O homem atingido por este mal

andará com as vestes rasgadas,

os cabelos em desordem e a barba coberta, gritando:

‘Impuro! Impuro!’

46Durante todo o tempo em que estiver leproso

será impuro;

e, sendo impuro,

deve ficar isolado e morar fora do acampamento’.

 

Palavra do Senhor.

Graças a Deus

 

2ª Leitura – 1Cor 10,31-11,1

Sede meus imitadores, como

também eu o sou de Cristo

 

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 10,31-11,1


Irmãos:

10,31Quer comais, quer bebais,

quer façais qualquer outra coisa,

fazei tudo para a glória de Deus.

32Não escandalizeis ninguém, nem judeus, nem gregos,

nem a igreja de Deus.

33Fazei como eu,

que procuro agradar a todos, em tudo,

não buscando o que é vantajoso para mim mesmo,

mas o que é vantajoso para todos,

a fim de que sejam salvos.

11,1 Sede meus imitadores,

como também eu o sou de Cristo.

 

Palavra do Senhor.

Graças a Deus

 

Evangelho – Mc 1,40-45

A lepra desapareceu e o homem ficou curado

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,40-45


Naquele tempo:

40Um leproso chegou perto de Jesus,

e de joelhos pediu:

‘Se queres tens o poder de curar-me’.

41Jesus, cheio de compaixão,

estendeu a mão, tocou nele, e disse:

‘Eu quero: fica curado!’

42No mesmo instante a lepra desapareceu

e ele ficou curado.

43Então Jesus o mandou logo embora,

44falando com firmeza:

‘Não contes nada disso a ninguém!

Vai, mostra-te ao sacerdote

e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou,

como prova para eles!’

45Ele foi e começou a contar

e a divulgar muito o fato.

Por isso Jesus não podia mais

entrar publicamente numa cidade:

ficava fora, em lugares desertos.

E de toda parte vinham procurá-lo.

 

Palavra da Salvação.

Glória  a Vós senhor