5º Domingo do Tempo Comum – Ano 2012

Que sentido tem o sofrimento e a dor que acompanham a caminhada do homem pela terra? Qual a “posição” de Deus face aos dramas que marcam a nossa existência? Neste quinto domingo do tempo comum somos convidados a refletir sobre o sofrimento e assim vemos Jó em um momento de oração onde exprime seus sentimentos a Deus pelo sofrimento que o acompanha. Certamente a raiz de todo sofrimento é o Pecado, este nos afastou do coração de Deus e nesta inimizade, causada pelo homem, sofreu a perda da Graça Santificante e com isso perdeu a impassibilidade, que é a ausência de dor.

Assim o sofrimento entrou no mundo e todo ser vivo está à mercê de todo tipo de sofrimento. Certamente que Jesus se encarnou e recuperou na Cruz nos proporcionando uma nova vida, mas certas coisas como a impassibilidade, a integridade e a ciência moral infusa não foram recuperadas pelo Batismo. Desta forma temos que fazer a nossa parte. O Sofrimento só terá sentido se for associado ao de Cristo na Cruz, somente em comunhão com Cristo que teremos o alívio do sofrimento e para isso exige a FÉ. No caso de Jó ainda não havia a conquista da salvação, mas mesmo assim vemos um homem de fé que soube colocar toda a sua vida nas mãos de Deus e se conformar com seu sofrimento tendo a certeza que Deus é maior que tudo.

Olhando para o sofrimento, a dor, o pecado e tantas outras coisas decorrentes do Pecado que assaltam a vida humana só encontramos resposta e consolo na pessoa de Jesus. Por isso que São João nos diz que “Todo aquele que permanece nele não peca; e todo o que peca não o viu, nem o conheceu”. (I Jo 3,6). E Paulo nos diz: “Não é minha penúria que me faz falar. Aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei viver na penúria, e sei também viver na abundância. Estou acostumado a todas as vicissitudes: a ter fartura e a passar fome, a ter abundância e a padecer necessidade. Tudo posso naquele que me conforta”. (Fil 4, 11-13). Como vemos só encontramos resposta pra tudo na pessoa de Jesus. Quem não tem fé, quem não conhece a verdade revelada, quem não passou pela experiência do ressuscitado, não encontra sentido na vida e esta se torna um absurdo, assim muitos mergulham numa vida de vícios, de prazeres, buscando realizar a vida nas coisas terrenas e são infelizes, pois nada na vida irá completá-los, serão sempre insaciáveis em tudo o que fizerem, pois somente Jesus pode dar o valor devido a nossa existência.

Por isso que vemos Paulo na loucura de evangelizar. Ele recebeu de graça a salvação e isso mudou completamente a sua vida e sente o compromisso de levar esta salvação aos outros para que muitas pessoas possam experimentar a Vida em Deus e serem felizes. Na verdade as pessoas sofrem e não sabem o que fazer para sair desta situação. Nós sabemos. Nós Cristãos sabemos, pelo menos teríamos que saber. A evangelização é isso: Levar aos outros o alívio eterno de suas dores e angústias. De um lado precisamos passar por uma experiência com Jesus e cada vez mais profunda e de outro falar aos outros a mensagem de Jesus. “O evangelizado torna-se um evangelizador”.

E Jesus tem pressa. Cura a sogra de Pedro e ela põem-se a servir. Olhe bem, toda pessoa que passa por uma experiência com o Senhor passa a servir os irmãos. E trouxeram os enfermos e endemoninhados e Ele curou a todos e depois disse: “Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas, a fim de pregar aí também, porque foi para isso que Eu vim”. Essa é a missão da Igreja e você é a Igreja, pense nisso.

No mundo em que vivemos já completou sete bilhões de pessoas e somente um pouco mais de um bilhão conhece Jesus e mesmo estes não passaram por uma experiência com Jesus apenas tem uma vida devocional e na maioria fazem uma distinção entre vida religiosa e vida social como se fossem distintas. Então vemos que nosso compromisso é muito grande como o de Paulo: “Fiz-me tudo para todos, a fim de ganhar alguns a todo o custo. E tudo faço por causa do Evangelho, para me tornar participante dos seus bens”.

Busquemos intensamente uma relação íntima com o Senhor e lutemos com todas as forças para que outros possam encontrar o sentido para a vida.

 

Antonio ComDeus


LEITURA I – Jó 7,1-4.6-7

 

Leitura do Livro de Jó

 

Jó tomou a palavra, dizendo:

«Não vive o homem sobre a terra como um soldado?

Não são os seus dias como os de um mercenário?

Como o escravo que suspira pela sombra

e o trabalhador que espera pelo seu salário,

assim eu recebi em herança meses de desilusão

e couberam-me em sorte noites de amargura.

Se me deito, digo: ‘Quando é que me levanto?’

Se me levanto: ‘Quando chegará à noite?’

E agito-me angustiado até ao crepúsculo.

Os meus dias passam mais velozes que uma lançadeira de tear

e desvanecem-se sem esperança.

– Recordai-Vos que a minha vida não passa de um sopro

e que os meus olhos nunca mais verão a felicidade».

 

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 146 (147)

Refrão: Louvai o Senhor, que salva os corações atribulados.

Louvai o Senhor, porque é bom cantar,

é agradável e justo celebrar o seu louvor.

O Senhor edificou Jerusalém,

Congregou os dispersos de Israel.

 

Sarou os corações dilacerados

e ligou as suas feridas.

Fixou o número das estrelas

e deu a cada uma o seu nome.

 

Grande é o nosso Deus e todo-poderoso,

é sem limites a sua sabedoria.

O Senhor conforta os humildes

e abate os ímpios até ao chão.

 

 

LEITURA II – 1 Cor 9,16-19.22-23

 

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

 

Irmãos:

Anunciar o Evangelho não é para mim um título de glória,

é uma obrigação que me foi imposta.

Ai de mim se não anunciar o Evangelho!

Se o fizesse por minha iniciativa,

teria direito a recompensa.

Mas, como não o faço por minha iniciativa,

desempenho apenas um cargo que me está confiado.

Em que consiste, então, a minha recompensa?

Em anunciar gratuitamente o Evangelho,

sem fazer valer os direitos que o Evangelho me confere.

Livre como sou em relação a todos,

de todos me fiz escravo,

para ganhar o maior número possível.

Com os fracos tornei-me fraco,

a fim de ganhar os fracos.

Fiz-me tudo para todos,

a fim de ganhar alguns a todo o custo.

E tudo faço por causa do Evangelho,

para me tornar participante dos seus bens.

 

ALELUIA – Mt 8,17

 

Aleluia. Aleluia.

 

Cristo suportou as nossas enfermidades

e tomou sobre Si as nossas dores.

 

 

EVANGELHO – Mc 1,29-39

 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

 

Naquele tempo,

Jesus saiu da sinagoga

e foi, com Tiago e João, a casa de Simão e André.

A sogra de Simão estava de cama com febre

e logo Lhe falaram dela.

Jesus aproximou-Se, tomou-a pela mão e levantou-a.

A febre deixou-a e ela começou a servi-los.

Ao cair da tarde, já depois do sol-posto,

trouxeram-Lhe todos os doentes e possessos

e a cidade inteira ficou reunida diante da porta.

Jesus curou muitas pessoas,

que eram atormentadas por várias doenças,

e expulsou muitos demônios.

Mas não deixava que os demônios falassem,

porque sabia qual Ele era.

De manhã, muito cedo, levantou-Se e saiu.

Retirou-Se para um sítio ermo

e aí começou a orar.

Simão e os companheiros foram à procura d’Ele

e, quando O encontraram, disseram-Lhe:

«Todos Te procuram».

Ele respondeu-lhes:

«Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas,

a fim de pregar aí também,

porque foi para isso que Eu vim».

E foi por toda a Galiléia,

pregando nas sinagogas e expulsando os demônios.