24º Domingo do Tempo Comum – Ano A

O tema central esta semana é o perdão. Assim vemos no livro do Eclesiástico que cada versículo é uma máxima de vida que nos leva a refletir sobre o perdão e a misericórdia. É certo que este livro inteiro é constituído de máximas de vida. Na segunda leitura São Paulo nos dá o motivo de sermos misericordiosos – “Cristo morreu e ressuscitou exatamente para isto, para ser o Senhor dos mortos e dos vivos”. Jesus é o Senhor de nossas vidas e nos resgatou por sua misericórdia e nos lava de todas as nossas imundícies por seu amor que se manifesta em sua misericórdia, portanto quem somos nós de querermos agir com nossos irmãos de outra forma? Por que queremos exigir do irmão que não peque contra nós se nós pecamos contra o outro e não temos como evitar isso? Quem de nós pode afirmar que esse ou aquele pecado não cometeremos?

Temos um grande intercessor diante do Pai que alcança toda misericórdia e todo perdão para o coração que esteja arrependido e só podemos viver assim: Na comunhão com o Senhor para sermos purificados e santificados. Desta forma quando olhamos para o próximo – que é companheiro de caminho e que sofre a mesma mazela que o pecado nos impõe e que luta para livrar-se dele a todo o momento – temos que frear a nossa conduta e amar o próximo e ser para ele suporte de caminho. Amar o irmão ajudá-lo na caminhada e perceber que o limite, a capacidade, o tempo, a condição, entre outras coisas, para cada pessoa é diferente e que todos temos o mesmo veneno dentro de nós que se chama pecado. Assim, Jesus nos mostra no evangelho, que a justiça pela justiça gera injustiça o que precisamos praticar é a misericórdia. Veja bem! Aquele servo devia uma quantidade enorme de dinheiro que jamais poderia pagar e foi perdoado, quando encontra seu companheiro de trabalho que lhe deve uma quantia pequena exige o recebimento, veja que não quer receber mais além do valor devido, não está colocando juros, apenas quer justiça – Me pague o que me deve. – O que faltou a este servo? Justiça? Não! Faltou misericórdia. Não foi suficientemente irmão do outro como seu patrão foi em relação a ele. Não amou o próximo e colocou o bem material acima do valor da pessoa humana. Este é o grande problema de nossa sociedade: Os bens materiais têm mais valor do que as pessoas e somos medidos pelo que temos e não pelo que somos. Os valores do mundo fazem do Ser algo descartável e as pessoas vivem num mundo egoísta cultivando um individualismo, um egocentrismo em que tudo o que gira em torno dele só serve para satisfazer seus próprios interesses. O ensinamento de Jesus contraria toda a sociedade: “Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”. (Jo 13, 34). “Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra. E ao que te tirar a capa, não impeças de levar também a túnica”. (Lc 6, 29). Pelo contrário, amai os vossos inimigos, fazei bem e emprestai sem daí esperar nada. E grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, porque ele é bom para com os ingratos e maus. (Lc 6, 35). Puxa! Deus ama a todos. “(…) Pois Ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos”. (Mt 5, 45). Certamente Jesus vai à contra mão do mundo e quem quiser segui-lo tem que ser contradição no mundo e assim ser odiado por todos – “Sereis odiados por todos por causa do meu nome”. (Lc 21, 17). Viver o amor é uma decisão de vida e tem que ser radical e ir até as últimas conseqüências, até o martírio caso necessário. Bem, neste sentido você pode ver como está o termômetro de sua vida. Se você está sendo odiado por amar e servir o próximo ou se a vida corre “normal” sem ter que dedicar ao outro e está preocupado somente consigo em como “ganhar a vida” e o outro é somente um estorvo no seu caminho.

 

Cuide-se.

 

Antonio ComDeus


PRIMEIRA LEITURA (Eclo 27,33-28,9)

Leitura do Livro do Eclesiástico

33O rancor e a raiva são coisas detestáveis;

até o pecador procura dominá-las.

28,1Quem se vingar encontrará a vingança do Senhor,

que pedirá severas contas dos seus pecados.

2Perdoa a injustiça cometida por teu próximo:

assim, quando orares, teus pecados serão perdoados.

3Se alguém guarda raiva contra o outro,

como poderá pedir a Deus a cura?

4Se não tem compaixão do seu semelhante,

como poderá pedir perdão dos seus pecados?

5Se ele, que é um mortal, guarda rancor,

quem é que vai alcançar perdão para os seus pecados?

6Lembra-te do teu fim e deixa de odiar;

7pensa na destruição e na morte,

e persevera nos mandamentos.

8Pensa nos mandamentos,

e não guardes rancor ao teu próximo.

9Pensa na aliança do Altíssimo,

e não leves em conta a falta alheia!

– Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

 

SALMO RESPONSORIAL 102(103) (HL3, p. 144-145) (Fx5)

O Senhor é bondoso, compassivo e carinhoso.

1. Bendize, ó minh’alma, ao Senhor e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, não te esqueças de nenhum de seus favores!

2. Pois ele te perdoa toda culpa e cura toda a tua enfermidade; da sepultura ele salva a tua vida e te cerca de carinho e compaixão.

3. Não fica, sempre, repetindo as suas queixas nem guarda, eternamente, o seu rancor. Não nos trata como exigem nossas faltas, nem nos pune em proporção às nossas culpas.

4. Quanto os céus por sobre a terra se elevam, tanto é grande o seu amor aos que o temem; quanto dista o nascente do poente, tanto afasta para longe nossos crimes.

 

SEGUNDA LEITURA (Rm 14,7-9)

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos

Irmãos:

7Ninguém dentre nós vive para si mesmo

ou morre para si mesmo.

8Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos;

se morremos, é para o Senhor que morremos.

Portanto, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor.

9Cristo morreu e ressuscitou exatamente para isto,

para ser o Senhor dos mortos e dos vivos.

– Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

 

 ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Fx 7)

Aleluia, Aleluia, Aleluia, Aleluia! (bis)

Eu lhes dou este novo mandamento, nova ordem, agora, eu lhes dou, que se amem vocês mutuamente, como eu os amei, diz o Senhor!

 

 EVANGELHO (Mt 18,21-35)

P. O Senhor esteja convosco.

T. Ele está no meio de nós.

P. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

T. Glória a vós, Senhor.

P. Naquele tempo,

21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou:

“Senhor, quantas vezes devo perdoar,

se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?”

22Jesus respondeu:

“Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.

23Porque o Reino dos Céus é como um rei

que resolveu acertar as contas com seus empregados.

 24Quando começou o acerto,

trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.

25Como o empregado não tivesse com que pagar,

o patrão mandou que fosse vendido como escravo,

junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía,

para que pagasse a dívida.

26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão

e, prostrado, suplicava:

‘Dá-me um prazo; e eu te pagarei tudo!’

27Diante disso, o patrão teve compaixão,

soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.

28Ao sair dali,

aquele empregado encontrou um dos seus companheiros

que lhe devia apenas cem moedas.

Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo:

‘Paga o que me deves’.

29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava:

‘Dá-me um prazo; e eu te pagarei!’

30Mas o empregado não quis saber disso.

Saiu e mandou jogá-lo na prisão,

até que pagasse o que devia.

31Vendo o que havia acontecido,

os outros empregados ficaram muito tristes,

procuraram o patrão e lhe contaram tudo.

32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse:

‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida,

porque tu me suplicaste.

33Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro,

como eu tive compaixão de ti?’

34O patrão indignou-se

e mandou entregar aquele empregado aos torturadores,

até que pagasse toda a sua dívida.

35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco,

se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.

– Palavra da Salvação.

T. Glória a vós, Senhor.

 

LEITURAS DA SEMANA: de 12 a 18 de Setembro de 2011

 

2ª-: 1Tm 2, 1-8; Sl 27 (28), 2. 7. 8-9 (R/. 6); Lc 7, 1-10

3ª-: 1Tm 3, 1-13; Sl 100 (101), 1-2ab. 2cd-3ab. 5. 6 (R/. 2c); Lc 7, 11-17

-: Nm 21, 4b-9 ou Fl 2, 6-11; Sl 77(78), 1-2. 34-35. 36-37. 38 (R/. cf. 7c); Jo 3, 13-17

-: Hb 5, 7-9; Sl 30 (31), 2-3a. 3bc-4. 5-6. 15-16.20 (R/. 17b); Jo 19, 25-27 ou Lc 2, 33-35

6ª-: 1Tm 6, 2c-12; Sl 48 (49), 6-7. 8-10. 17-18. 19-20 (R/. Mt 5, 3); Lc 8, 1-13

Sab.: 1Tm 6, 13-16; Sl 99 (100), 2. 3. 4. 5 (R/. 2c); Lc 8, 4-15

25º DTC Is 55, 6-9; Sl 144 (145), 2-3. 8-9. 17-18 (R/. 18a), Fl 1, 20c-24.27ª; Mt 20, 1-16a (Operários da vinha)