Reflexão: O Prego

Certo feirante, depois de um dia muito proveitoso com excelentes resultados no negócio, se dispôs a voltar para casa antes do entardecer. Montou seu cavalo e, prendendo muito bem à cintura a bolsa com seu dinheiro, deu início à jornada de volta. Lá pelas tantas, parou em um pequeno povoado para uma rápida refeição.

 

Quando já se preparava para prosseguir na caminhada, o moço da cachoeira o avisou:

– Senhor, está faltando um prego na ferradura da pata esquerda do seu animal. Não seria melhor providenciar outro?

– Deixa faltar… – respondeu o feirante – Estou com muita pressa; sem dúvida a ferradura agüentará bem as horas que ainda restam a percorrer E lá se foi ele. À tardinha, quando parou para dar ração pro cavalo, o encarregado da cavalaria também foi ter com ele,
dizendo:

– Olha, está faltando a ferradura da pata esquerda do seu animal. Quer que o nosso ferreiro veja isto?

– Deixa faltar. Estou com muita pressa e restam poucas horas para que cheguemos ao nosso destino. Por certo o cavalo resistirá – respondeu ele.

Continuou a cavalgar, mas já não conseguira andar muito, quando notou que o cavalo estava manquejando. Tentou continuar na esperança de chegar em casa; entretanto, depois de poucos metros o animal passou a tropeçar e, com pouco mais de tempo, numa queda mais forte, o cavalo fraturou a perna e já não pôde mais sair do lugar.

Era noite e o feirante viu-se obrigado a deixar o pobre animal caído, sem qualquer atendimento. Desprendendo a caixa onde carregava uma série de apetrechos para seu
uso na feira, pô-la às costas e foi caminhando. A distância que parecia curta tornou-se longa e penosa. Só muito tarde chegou ele cansado, faminto e preocupado com a possível perda do animal. Foi então que começou a raciocinar: Tudo por causa de um simples prego que não
foi substituído no momento que se fez necessário.

Entendeu tarde demais o fato de que a pressa exige calma.

Pequenas omissões podem resultar numa perda irreparável…

Reflitamos nisso!

Autor desconhecido