10º Domingo do Tempo Comum – ano C

Celebramos o tempo comum e neste tempo vemos os feitos de Jesus, sua vida pública, seus ensinamentos e milagres. Deparamos com a ação se Jesus se sensibilizado com uma viúva que perde seu filho e mesmo sem haver um pedido explicito de realizar um milagre Ele se antecipa e ressuscita o moço e o devolve a Mãe.

Jesus é sensível as nossas dores e nada lhe passa por despercebido, Ele esta atento à vida de cada um de nós e sempre pronto a realizar mesmo aquilo que não manifestemos a Ele em suplica.

Isso é amor; é compaixão. Quantas vezes podemos sentir como esta mãe, que sendo viúva perde seu filho que seria para ela uma força dentro de casa ajudando nas despesas e mantendo a família unida na falta do pai. Assim muitas vezes nos vemos também desarmados pela vida, fruto de nossa faltas ou dos desencontros que a vida suscita, trazendo tantas conseqüências negativas que nos leva a passar por caminhos obscuros onde nos sentimos desamparados, esquecidos. Nestes momentos parece que nada mais tem sentido, o chão sumiu, as orações parecem que não chega a lugar algum, as pessoas não nos compreendem, nada nos satisfaz a vida fica insólita e tudo parece estar cinza. São momentos de dores e angústia, os pensamentos não se organizam, parece que tem um furacão dentro de nós e os sentidos falham e percebemos um abismo diante de nós.

É nestes momentos, em que não encontramos saída para nada, que Jesus aparece despretensiosamente, e se coloca ao nosso lado, como no caso da viúva, olha e contempla a dor que brota no coração como uma espada incandescente que o atravessa, e chora conosco as nossas dores e realiza aquilo que ninguém, nem nada, pode fazer ou resolver, somente Ele pode realizar algo. Certamente que o tempo é d’Ele, Ele sabe o momento certo de agir. No caso da viúva, Jesus não solucionou seu problema durante o velório e ainda acompanhou o enterro e somente a certa altura realizou o milagre. Para nós isto é ensinamento. O Senhor se coloca a nosso lado e caminha conosco, muitas vezes nos vê realizando coisas que certamente o desagrada, mas tem o momento certo de realizar Seu plano de salvação nas áreas de nossa vida. Temos que ter paciência e sofrer os momentos difíceis como um aprendizado onde estamos nos formando como SER e se tornando, mesmo nas quedas e nos problemas que a vida nos impõe, pessoas melhores a imagem daquele que nos criou.

É o Espírito que nos ensina e nos molda a Jesus, como vemos na segunda leitura Paulo passou três anos em formação pessoal com Jesus e somente depois se colocou a serviço da Igreja. Ele estava pronto para passar por todas as dificuldades que sua missão lhe poria, e passou, muito sofreu. Todos os tipos de perseguições e incompreensões, mas estava apto a seguir o chamado do Senhor e com o Senhor a seu lado não esmoreceu, não caiu, e quando estava prestes a cair o Senhor o erguia e o fortalecia na missão. Paulo entendeu seu caminho e mesmo dizendo: “não faço o bem que quero e faço o mal que não quero” não desanimou e continuou seu caminho, pois o Senhor o ressuscitava todos os dias.

Deus jamais nos desampara, veja o caso de Elias. Comendo e dormindo na casa daquela viúva quando seu filho vem a morrer e na aparente desgraça a mãe se perturba em desolação, mas o profeta clama ao Senhor que não o desampara e restitui a vida aquela criança.

Nossa vida só pode ser vivida na fé. É nela que somos o que somos. Façamos a nossa parte com todo empenho e Jesus completa em nós o que falta nem que tiver que nos ressuscitar a cada dia.

Ele nos ama.

Que bom…

Antonio ComDeus


Leituras:

1ª leitura – 1Rs 17, 17-24

17.Algum tempo depois, o filho desta mulher, dona da casa, adoeceu, e seu mal era tão grave que já não respirava. 18.A mulher disse a Elias: Que há entre nós dois, homem de Deus? Vieste, pois, à minha casa para lembrar-me os meus pecados e matar o meu filho? 19.Dá-me o teu filho, respondeu-lhe Elias. Ele tomou-o dos braços de sua mãe e levou-o ao quarto de cima onde dormia e deitou-o em seu leito. 20.Em seguida, orou ao Senhor, dizendo: Senhor, meu Deus, até a uma viúva, que me hospeda, quereis afligir, matando-lhe o filho? 21.Estendeu-se em seguida sobre o menino por três vezes, invocando de novo o Senhor: Senhor, meu Deus, rogo-vos que a alma deste menino volte a ele. 22.O Senhor ouviu a oração de Elias: a alma do menino voltou a ele, e ele recuperou a vida. 23.Elias tomou o menino, desceu do quarto superior ao interior da casa e entregou-o à mãe, dizendo: Vê: teu filho vive. 24.A mulher exclamou: Agora vejo que és um homem de Deus e que a palavra de Deus está verdadeiramente em teus lábios.

2ª leitura – 1Gl 1, 11-19

11.Asseguro-vos, irmãos, que o Evangelho pregado por mim não tem nada de humano. 12.Não o recebi nem o aprendi de homem algum, mas mediante uma revelação de Jesus Cristo. 13.Certamente ouvistes falar de como outrora eu vivia no judaísmo, com que excesso perseguia a Igreja de Deus e a assolava; 14.avantajava-me no judaísmo a muitos dos meus companheiros de idade e nação, extremamente zeloso das tradições de meus pais. 15.Mas, quando aprouve àquele que me reservou desde o seio de minha mãe e me chamou pela sua graça, 16.para revelar seu Filho em minha pessoa, a fim de que eu o tornasse conhecido entre os gentios, imediatamente, sem consultar a ninguém, 17.sem ir a Jerusalém para ver os que eram apóstolos antes de mim, parti para a Arábia; de lá regressei a Damasco. 18.Três anos depois subi a Jerusalém para conhecer Cefas, e fiquei com ele quinze dias. 19.Dos outros apóstolos não vi mais nenhum, a não ser Tiago, irmão do Senhor.

Evangelho – Lc 7, 11-17

11.No dia seguinte dirigiu-se Jesus a uma cidade chamada Naim. Iam com ele diversos discípulos e muito povo. 12.Ao chegar perto da porta da cidade, eis que levavam um defunto a ser sepultado, filho único de uma viúva; acompanhava-a muita gente da cidade. 13.Vendo-a o Senhor, movido de compaixão para com ela, disse-lhe: Não chores! 14.E aproximando-se, tocou no esquife, e os que o levavam pararam. Disse Jesus: Moço, eu te ordeno, levanta-te. 15.Sentou-se o que estivera morto e começou a falar, e Jesus entregou-o à sua mãe. 16.Apoderou-se de todos o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta surgiu entre nós: Deus voltou os olhos para o seu povo. 17.A notícia deste fato correu por toda a Judéia e por toda a circunvizinhança.

Palavra da Salvação

– Glória a vós, Senhor