Santíssima Trindade

Entramos no Tempo Comum em nosso ano Litúrgico, e neste tempo vamos refletir sobre a pessoa de Jesus seus atos e realizações e principalmente a revelação do projeto do Pai – a nossa salvação. É o segundo período do tempo comum que inicia-se com o domingo da Santíssima Trindade e vai até o fim de novembro com a festa de Jesus Rei do Universo, tempo de reflexão e amadurecimento da fé.

Neste domingo Jesus nos faz a maior das revelações – o núcleo de nossa fé – Crer em Deus Uno e Trino, o que causou um grande espanto ao povo de Israel e deu a Jesus o titulo de blasfemo. Jamais poderia o povo Judeu admitir mais de uma pessoa em Deus ou pior ainda, três deuses. O temor deste povo a Deus era tão imenso que nem seu nome era pronunciado, como não o é até hoje, ao invés de pronunciar o nome de Deus falavam “Adonai” – Senhor.

Assim dá pra percebermos a grandeza da revelação de Jesus. É certo que vemos traços desta revelação já no antigo testamento que ficou oculto ao povo escolhido para ser revelado no momento certo. Assim olhando na primeira leitura vemos a Sabedoria de Deus ser exaltada e personificada como uma pessoa que está junto do Pai na criação do universo, Paulo vai, depois, nos colocar que a sabedoria de Deus é Jesus – “mas nós pregamos Cristo crucificado… força de Deus e sabedoria de Deus”. (1Cor 1, 23-24).

Olhando na segunda leitura São Paulo nos faz uma grande revelação, que muitas vezes é meio que escondida aos nossos olhos. Cremos, mas às vezes não entendemos – a nossa Salvação.

Ser justificados, como nos fala, é que nossa condição era de condenados e condenados a morte eterna, não havia outra forma, estávamos irremediavelmente perdidos para longe de Deus. Esta era nossa condição e Jesus se colocou em nosso lugar e se fez condenado por nós, nos dando a liberdade. Somente n’Ele somos salvos da morte eterna. Quem nos mostra essa verdade e nos convence é o Espírito Santo, esta “esperança não decepciona”. Assim conscientes de nossa salvação e movidos pelo Espírito de Deus “nos gloriamos também de nossas tribulações”, pois é nela que experimentamos a graça da salvação mediante o amor de Deus derramado por Cristo pelo Espírito em nossos corações, e “seremos conduzidos a plena verdade”. Se fomos resgatados por Cristo já não pertencemos a nós mesmo, somos de Cristo e sua vontade tem que sobrepor a nossa.

Assim, pela Palavra anunciada pelo verbo encarnado, nos é revelada a ação do Pai que todas as coisas criou, do Filho que se revelou a nós pela encarnação e nos resgatou do pecado e da morte eterna, e do Espírito Santo que “vem em socorro de nossa fraqueza” e nos molda a imagem de Jesus nosso Salvador e Senhor.

Com a revelação da Santíssima Trindade percebemos que somos agraciados por um amor trino que realiza em nós um projeto de comunhão, que participamos da força deste amor e agraciados por ele podemos ser para o outro um ato de amor.

Antonio Ribeiro de Castro – Fundador COMDEUS


Primeira leitura (Provérbios 8,22-31)

Leitura do Livro dos Provérbios.

Assim fala a Sabedoria de Deus: 22“O Senhor me possuiu como primícia de seus caminhos, antes de suas obras mais antigas; 23desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes das origens da terra. 24Fui gerada quando não existiam os abismos, quando não havia os mananciais das águas, 25antes que fossem estabelecidas as montanhas, antes das colinas fui gerada.
26Ele ainda não havia feito as terras e os campos, nem os primeiros vestígios de terra do mundo.
27Quando preparava os céus, ali estava eu, quando traçava a abóbada sobre o abismo, 28quando firmava as nuvens lá no alto e reprimia as fontes do abismo, 29quando fixava ao mar os seus limites — de modo que as águas não ultrapassassem suas bordas — e lançava os fundamentos da terra, 30eu estava ao seu lado como mestre-de-obras; eu era seu encanto, dia após dia, brincando, todo o tempo, em sua presença, 31brincando na superfície da terra, e alegrando-me em estar com os filhos dos homens”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

Segunda leitura (Romanos 5,1-5)

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos.

Irmãos: 1Justificados pela fé, estamos em paz com Deus, pela mediação do Senhor nosso, Jesus Cristo. 2Por ele tivemos acesso, pela fé, a esta graça, na qual estamos firmes e nos gloriamos, na esperança da glória de Deus.
3E não só isso, pois nos gloriamos também de nossas tribulações, sabendo que a tribulação gera a constância, 4a constância leva a uma virtude provada, a virtude provada desabrocha em esperança; 5e a esperança não decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Evangelho (João 16,12-15)

— O Senhor esteja convosco!
— Ele está no meio de nós!
— Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
12“Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender agora.
13Quando, porém, vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido; e até as coisas futuras vos anunciará.
14Ele me glorificará, porque receberá do que é meu e vo-lo anunciará. 15Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso, disse que o que ele receberá e vos anunciará, é meu”.
– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.