6º Domingo da Páscoa – ano C

“… Ele vos ensinará tudo…”

Jesus parte para junto do Pai. Como homem, Jesus, tem seu papel neste mundo e terminado sua missão, como todo ser humano, tem que deixar este mundo, mas faz uma promessa que se cumprirá logo, é a presença do Espírito Santo. Diferentemente do Antigo Testamento, que a presença do Espírito não se podia fazer como morada no coração do homem, pois o pecado rompeu a relação do homem com Deus e somente Jesus pode recuperar esta condição com o derramamento de seu sangue na cruz.

Mas depois de pentecostes o Espírito Santo foi derramado em nossos corações e agora a condição nossa se tornou substancialmente diferente do povo do Antigo Testamento, somos morada do Espírito Santo. Por isso que Jesus, antes de partir para junto do Pai, nos mostra as propriedades do Espírito para sabermos o que Ele realizará em nós e conosco.

Importantíssimo observar que o Espírito nos ensinará e recordará todas as coisas, em outras passagens nos fala que o Espírito – nos faz testemunha, nos dá força, nos convence – enfim “Ele opera tudo em todos” (1 Cor 12,6). Desta forma somos chamados a termos uma docilidade ao Espírito para que Ele possa realizar as obras de Deus em nós. Docilidade é uma sensibilidade, uma atenção, estar sempre atento a perceber as manifestações do Espírito Santo em nossas vidas e isso é diário e constante a vida do Espírito em nossas vidas é como o ar que respiramos. Ele quer nos santificar nos fazer parecidos com Jesus. Por isso que Jesus nos diz “Se alguém me ama, guardará a minha palavra” guardar é ficar, é permanecer. É isso que devemos fazer para que o amor esteja plenamente em nós.

Desta forma o Espírito nos conduz, não como alguém que conduz um fantoche, mas numa comunhão, numa parceria. É o que nos relata a primeira leitura onde vemos Paulo e Barnabé que estavam pregando para os Gentios sem a exigência dos preceitos judaicos – o que neste inicio da comunidade cristã ainda não estava bem entendido como se deveria anunciar o evangelho – e diante desta celeuma foram encaminhados aos chefes da Igreja – Pedro, Tiago e João e aos anciãos da comunidade – e depois de muitos argumentos enviaram representantes com uma carta para esclarecer o caso e dar liberdade a Paulo e Barnabé de continuar sua missão entre os gentios. Importante no texto é perceber – “Porque decidimos, o Es­pírito Santo e nós…” Assim percebemos que o Espírito Santo se faz presença em nós mas não age sem nós. É da vontade de Deus que participemos de sua obra livremente e que experimentemos as alegrias de Deus em uma participação mutua, onde possamos saborear os mistérios de Deus nas realizações do Reino neste mundo e que possamos ser protagonista deste Reino sendo operários, discípulos e missionários, fazendo o Reino crescer no meio de um mundo tão perturbado pelo pecado.

Quando nos deixamos conduzir pelo Espírito para que Ele nos oriente e juntos possamos construir as nossas vidas, o Espírito nos leva a almejar a bem aventurança celeste é o que vemos no texto do Apocalipse – a Jerusalém Celeste – é para onde iremos, é nossa morada definitiva, é para lá que caminhamos. A visão de João é um despertar para nós, é uma manifestação de Deus em nos mostrar o que nos espera, é uma motivação para não desanimarmos diante dos problemas do mundo e perdermos o norte de nossa caminhada na terra. E isto muitas vezes acontece. A pessoa envolta pelos problemas, doença, desemprego, dívidas, abalos sísmicos, violência… E tantas outras situações que nos abalam e acabamos perdendo as esperanças e nos deixando levar pelas avalanches negativas que o mundo nos oferece. Ai diante de tantas negatividades, Deus nos mostra que vale a pena lutar e ser conduzido pelo Espírito Santo que Ele vai acalmar nossos corações e nos mostrar o que nos espera no fim de nossa jornada. E é neste ponto que nos tornamos diferentes, como nos diz Tertuliano: “Fiducia Christianorum resurrectio mortuorum; illam credentes, sumus“. “A fé dos Cristãos é a Ressurreição dos mortos, crendo nela, somos Cristãos”. Por isso somos Cristãos vivemos na esperança da Bem Aventurança Celeste onde estaremos eternamente com Deus.

Pense nisso e tome uma atitude radical. Agora…

Antonio ComDeus


Leituras da 6ª semana da Páscoa – ANO C

PRIMEIRA LEITURA

(At 15,1-2.22-29)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, chegaram alguns da Judéia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos, se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés”. Isto provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém, para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. Então os apóstolos e os anciãos, de acordo com toda a comunidade de Jerusalém, resolveram escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia, com Paulo e Barnabé. Escolheram Judas, chamado Bársabas, e Silas, que eram muito respeitados pelos irmãos. Através deles enviaram a seguinte carta: “Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, saudamos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. Ficamos sabendo que alguns dos nossos causaram perturbações com palavras que transtornaram vosso espírito. Eles não foram enviados por nós. Então decidimos, de comum acordo, escolher alguns representantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Barnabé e Paulo, homens que arriscaram suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, estamos enviando Judas e Silas, que pessoalmente vos transmitirão a mesma men­sagem. Porque decidimos, o Es­pírito Santo e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas in­dis­pensáveis: abster-se de carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!” – Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

SALMO RESPONSORIAL 66(67)

(HL2 p.77-79 – = CD XV- Fx2)

Que as nações vos glorifiquem, * todas as nações vos glorifiquem!

1. Que Deus nos dê a sua graça e sua benção * e sua face resplandeça sobre nós! * Que na terra se conheça o seu caminho * e a sua salvação por entre os povos.

2. Exulte de alegria a terra inteira, * pois julgais o universo com justiça; * os povos governais com retidão * e guiais, em toda a terra, as nações.

3. Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, * que todas as nações vos glorifiquem! * Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe * e o respeitem os confins de toda a terra!

 

SEGUNDA LEITURA

(Ap 21,10-14.22-23)

Leitura do Livro do Apocalipse de São João.

Um anjo me levou em espírito a uma montanha grande e alta. Mostrou-me a cidade santa, Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, brilhando com a glória de Deus. Seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como o brilho de jaspe cristalino. Estava cercada por uma muralha maciça e alta, com doze portas. Sobre as portas estavam doze anjos, e nas portas estavam escritos os nomes das doze tribos de Israel. Havia três portas do lado do oriente, três portas do lado norte, três portas do lado sul e três portas do lado do ocidente. A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. Não vi Templo na cidade, pois o seu templo é o próprio Senhor, o Deus todo-poderoso, e o Cordeiro. A cidade não precisa de sol, nem de lua que a iluminem, pois a glória de Deus é a sua luz e a sua lâmpada é o Cordeiro.

– Palavra do Senhor.

T. Graças a Deus.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(HL2 p.108 – CD XV Fx 7)

Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia!

Quem me ama realmente * guardará minha palavra.

EVANGELHO (Jo 14,23-29)

P. O Senhor esteja convosco.

T. Ele está no meio de nós.

P. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.

T. Glória a vós, Senhor.

P. Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis. – Palavra da salvação.

T. Glória a vós, Senhor.