5º Domingo da Páscoa – ano C

Novo céu e uma nova terra

“Eu vos dou um novo mandamento”. Verdadeiramente o Senhor veio para fazer “nova todas às coisas”. Mas no Antigo Testamento aprendemos, em Deuteronômio e Levíticos, e Jesus repete isso em seu confronto com os escribas “Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é este:

Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor; amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito e de todas as tuas forças. Eis aqui o segundo: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outro mandamento maior do que estes não existe”. É esse mandamento foi o que direcionou a vida do povo de Israel durante todo o Antigo Testamento, mas Jesus antes de partir para o Pai nos Deixou um novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. A exigência do amor de Jesus nos leva ao encontro do outro, quem ama o próximo conseqüentemente ama a Deus, pois Deus é amor. Quem é o meu próximo? Como na parábola do Bom Samaritano, o próximo é aquele que está precisando de meu amor neste momento. E geralmente o amor é exigido em uma situação de desamor, em um problema, em uma situação em que só o amor pode resolver e solucionar um problema. E isso é exigente. Faz com que saiamos de nossa individualidade, vencendo nossas barreiras e limitações para ir ao encontro da necessidade do outro sem esperar nada em troca. É o que Paulo nos coloca na primeira leitura: “… exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: ‘É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus’”. Esse sofrimento que Paulo coloca é referente à doação incondicional de amar o próximo até a morte, se necessário, e isso, olhando para a vida dele, vemos que em todos os lugares em que foi pregar a Palavra de Deus passava por privações e perseguições, mas nem por isso desistiu de amar o próximo como Jesus amou, e foi até a morte pelo nome de Jesus.

É nesse amor que reconhecerão que somos de Cristo. O mundo esta desfacelado pelo egoísmo, individualismo, hedonismo, materialismo… A fé está em baixa e a adesão a Deus está cada vez mais distante. E por quê? Porque nós, Cristãos, que deveríamos dar testemunho desse amor incondicional ao nosso próximo está raquítica e minguando, e a cada dia vemos menos testemunho nos cristãos: é no meio político, nas empresas – empresários e funcionários, nas escolas – professores e alunos, é no comércio – patrão e empregados… E somos um país cuja maioria é Católica e muito mais ainda se incluirmos todos os cristãos.

Jesus diz: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”. O amor é a solução para todos os problemas, o Senhor nos deixou a regra para conduzirmos nossas vidas e transformar a face da terra.

Assim quando olhamos para a leitura de Apocalipse “Um novo céu e uma nova terra”, ficamos perplexos daquilo que nos espera: “Esta é a morada de Deus entre os homens. Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles. Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem choro, nem dor, porque passou o que havia antes”. Mas quando será isso? Somente no fim. Quem perseverar até o fim verá “um novo céu e uma nova terra”, mas serão aqueles que passaram pela grande tribulação e foram lavados pelo sangue do cordeiro. Serão aqueles que conseguiram amar como o Senhor nos amou, aqueles que seguiram o Mestre, que foram discípulos e fizeram o que o Mestre fez, aprenderam em tudo seguir os passos de seu Mestre ao ponto de se tornarem missionários e formaram outros para viver o amor, formaram uma comunidade de irmãos vivendo o amor, formaram a Igreja e pelo testemunho conquistaram o mundo para Deus.

Nossa?! Isso é utopia ou é uma possibilidade? Tem um ditado que diz: “Quem viver, verá”. De fato somente quem estiver disposto a seguir os passos do Mestre poderão ver e viver as alegrias de um “novo céu e uma nova terra”. Não deixe pra depois, o tempo é curto, a vida passa rápida e logo nós também passamos. Faça um pacto com Deus, de amar e servir o seu próximo, independente de quem seja até dar a vida, se necessário for, e o prêmio você já sabe: “Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles”. Ver a Deus face a face. Hoje vemos na fé, mas esta vai passar e veremos nosso criador tal como Ele é. Será a alegria eterna… Pense nisso, vale a pena!

 

Antonio Ribeiro de Castro

Fundador da COMDEUS

 

 

1ª Leitura – At 14,21b-27

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

Naqueles dias, Paulo e Barnabé voltaram para as cidades de Listra, Icônio e Antioquia. Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”.

Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado.

Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. Anunciaram a palavra em Perge, e depois desceram para Atália. Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado.

Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus!

 

Salmo Responsorial – Sl 144

 

Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, meu Senhor e meu Rei para sempre.

Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!

Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o fulgor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração.

 

2ª Leitura – Ap 21,1-5a

 

Leitura do Livro do Apocalipse de São João:

Eu, João, vi um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, de junto de Deus, vestida qual esposa enfeitada para o seu marido.

Então, ouvi uma voz forte que saía do trono e dizia: “Esta é a morada de Deus entre os homens. Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles. Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem choro, nem dor, porque passou o que havia antes”.

Aquele que está sentado no trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas”.

Depois, ele me disse: “Escreve, porque estas palavras são dignas de fé e verdadeiras”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus!

 

Evangelho – Jo 13,31-33a.34-35

 

Anúncio do Evangelho de Jesus Cristo, segundo João:

Depois que Judas saiu do cenáculo, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará logo.

Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”.

– Palavra da Salvação.

– Glória a vós, Senhor!